Tempo
|
A+ / A-

Venezuela

Maduro chama mesquinho a Bolsonaro e envia oxigénio para Manaus

01 fev, 2021 - 22:09 • Lusa

Maduro apelou ao abandono da “luta ideológica entre o Trump de Brasil, Jair Bolsonaro, e nós, a esquerda".

A+ / A-

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou esta segunda-feira que o seu país vai passar a enviar oxigénio de forma permanente para Manaus, Brasil, no âmbito do combate à covid-19, acusando o seu homólogo brasileiro de ser “mesquinho”.

“Estamos a fazer uns acordos para enviar oxigénio permanentemente para Manaus. Um gesto de amor. A resposta que deu Bolsonaro [ao envio de oxigénio para o Brasil] foi mesquinha, de ódio”, disse o chefe de Estado venezuelano.

Nicolás Maduro falava, em castelhano, durante uma entrevista ao portal brasileiro Opera Mundi, transmitida pelo canal estatal Venezuela de Televisão (VTV), em que sublinhou que o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, apenas tinha que agradecer o gesto.

“Apenas tinha que dizer ‘obrigado, muito obrigado’”, disse, em português.

Maduro apelou para que se abandone “a luta ideológica entre o Trump de Brasil, Jair Bolsonaro, e nós, a esquerda".

"No momento de salvar vidas há que pôr de lado a ideologia, e centrar-se no ser humano, em salvar a vida do ser humano."

“O Brasil deve saber que é nossa obrigação a solidariedade com a Amazónia. Somos povos irmãos e o nosso desejo é fortalecer o encontro fraterno e a cooperação mútua, que a fronteira entre o Brasil e a Venezuela seja para a paz e a solidariedade”, disse.

Maduro explicou que o oxigénio foi enviado recentemente para o Brasil por iniciativa de trabalhadores venezuelanos, destacando que a Venezuela conta com “uma estrutura construída pela revolução bolivariana, que suportou, nos últimos dois anos, as agressões da extinta administração [norte-americana] de [Donald] Trump”.

Por outro lado, afirmou acreditar que Jair Bolsonaro recusaria um encontro com ele porque "tem medo".

“Tem medo, não quereria olhar-me nos olhos, a sério”, disse o Presidente venezuelano, insistindo que se algum dia acontecesse o "milagre" de um encontro, lhe "estenderia” os braços, defendendo que ambos "devem entender-se”.

“Enquanto ele for o Presidente do Brasil e eu da Venezuela, temos que ter a capacidade de Estado, porque somos chefes de Estado, de ouvir-nos, falar e cooperar”, frisou.

Maduro sublinhou ainda que “se Jair Bolsonaro tivesse agarrado o telefone e ligado” para dizer-lhe que necessitava de oxigénio “teria procurado atempadamente e não teria havido essa emergência”.

“Muitas coisas teríamos resolvido com uma chamada telefónica”, frisou.

A 17 de janeiro, Nicolás Maduro anunciou que a Venezuela estava a enviar “um apoio humanitário ao povo de Manaus, o oxigénio necessário para combater a covid-19”.

A ajuda, 14.000 botijas individuais de oxigénio, equivalentes a 136.000, para ajudar no colapso hospitalar de Manaus, a segunda maior cidade da Amazónia brasileira, chegou a 20 de janeiro por via terrestre.

O Amazonas atravessa uma grave crise de saúde, cuja falta de camas de hospital, oxigénio e outros equipamentos obrigou a transferência de dezenas de pacientes para outros Estados brasileiros. Essa escassez de oxigénio causou a morte por asfixia a dezenas de cidadãos, principalmente em Manaus.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo maior número de mortos (mais de 222 mil óbitos, em mais de 9,1 milhões de casos), depois dos Estados Unidos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    01 fev, 2021 Lisboa 22:55
    Goste-se ou não de Maduro, a verdade é que a Venezuela é o país da América do Sul com menos mortos por Covid-19 por milhão de habitantes. Não caio no erro de chamar "socialista" ao governo de Maduro mas a verdade é que uma economia com forte intervenção estatal como Venezuela, Cuba, China ou Vietname é a melhor para combater uma pandemia. E podem mandar-me para um desses países que eu ia já hoje se pudesse. Mas, ao contrário de Portugal, esses países não deixam entrar pessoas vindas de países onde a pandemia está descontrolada. E fazem eles muito bem.

Destaques V+