Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

França proíbe uso de certos tipos de máscaras caseiras em público

25 jan, 2021 - 19:48 • Joana Azevedo Viana

Decreto apenas autoriza uso de máscaras cirúrgicas ou FFP 2 em espaços públicos. Alemanha e Áustria também já aplicaram medidas semelhantes, mas há especialistas que questionam validade e exequibilidade da proibição.

A+ / A-

Veja também:


É proibido, a partir desta segunda-feira, o uso de certos tipos de máscaras caseiras em público em Françl, sob o argumento de que não garantem proteção suficiente contra novas variantes mais contagiosas da Covid-19.

O decreto que proíbe o uso de algumas máscaras comunitárias foi publicado na sexta-feira, na sequência de recomendações dos especialistas sanitários, indicou hoje o ministro francês da Saúde.

"O Alto Conselho para a Saúde Pública recomenda, e eu também, que os franceses não usem máscaras feitas em casa", disse Olivier Véran.

Esta manhã, outra fonte do Ministério da Saúde, responsável pela segurança sanitária no trabalho, já tinha confirmado que os conselhos oficiais do Governo iam passar a incluir a indicação de que os cidadãos não podem usar máscaras feitas em casa nos locais de trabalho.

"O Governo está a seguir escrupulosamente as recomendações do Alto Conselho para a Saúde Pública, como tem feito desde o início desta crise", tinha adiantado Laurent Pietraszewski à rádio Franceinfo. O novo protocolo nos locais de trabalho, indicou, deverá ser adaptado "após discussões com os sindicatos".

França recomenda neste momento apenas três tipos de máscaras para impedir o contágio por Covid-19: as cirúrgicas, as FFP2 (que filtram pelo menos 94% dos aerossóis) e as máscaras comunitárias de tecido que cumpram os requisitos da categoria 1 (que filtrem pelo menos 80% dos aerossóis).

Medida controversa e "difícil de aplicar"

A Academia de Medicina Francesa não concorda com esta medida, alegando que não existem provas científicas de que as máscaras feitas em casa não protejam quem as usa apropriadamente.

A par disso, as autoridades francesas admitem que não será fácil fazer cumprir o novo decreto sobre equipamentos de proteção individual (EPIs).

"Não imagino a polícia a perguntar às pessoas qual o nível de proteção da máscara que estão a usar", diz um porta-voz do primeiro-ministro, citado pelo "Guardian".

A medida não é inédita. Na semana passada, a Alemanha deu um passo semelhante, anunciando que os cidadãos só podem usar máscaras FFP 1 ou FFP 2 quando em transportes públicos, locais de trabalho e espaços comerciais.

O passo da chancelaria aconteceu depois de o Governo local da Baviera ter aprovado uma medida ainda mais rígida quanto ao uso de máscaras de proteção, obrigando ao uso exclusivo de máscaras cirúrgicas N95, que filtram 95% das partículas, quando em lojas ou transportes públicos.

"Peço às pessoas que levem esta medida a sério, caso contrário será difícil prevenir uma terceira vaga", indicou Angela Merkel na quinta-feira passada. A chanceler alemã disse ainda que a próxima vídeoconferência do Conselho Europeu iria focar-se em formas concretas de contrariar a propagação das estirpes mais contagiosas do coronavírus, inicialmente detetadas no Reino Unido, África do Sul e Brasil.

Nesse dia, a Áustria anunciou que ia aplicar, a partir desta segunda-feira, uma medida semelhante, autorizando apenas o uso de máscaras FFP 2 nos transportes públicos e lojas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+