Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Coronavírus

OMS quer vacinação contra a Covid-19 em todos os países dentro de 100 dias

15 jan, 2021 - 19:48 • Lusa

De acordo com a OMS, 46 países, a maioria desenvolvidos, iniciaram as suas campanhas de vacinação contra a Covid-19. A meta estabelecida pela OMS para 2021 é vacinar 20% da população mundial, incluindo os habitantes dos países mais pobres.

A+ / A-

Veja também:


A Organização Mundial da Saúde (OMS) pretende que a vacinação contra a covid-19 chegue a todos os países num prazo de pouco mais de três meses, mas advertiu que a vacina "não é a solução para todos os problemas".

Na habitual videoconferência de imprensa transmitida da sede da OMS, em Genebra, o diretor-geral, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que quer "ver a vacinação a começar em todos os países nos próximos 100 dias para que os profissionais de saúde e as pessoas em risco estejam protegidos em primeiro lugar".

A este propósito, lembrou que a rede mundial Covax, cogerida pela OMS, pretende "garantir a quem precisa" as vacinas para a covid-19.

De acordo com a OMS, 46 países, a maioria (38) desenvolvidos, iniciaram as suas campanhas de vacinação contra a Covid-19. A meta estabelecida pela OMS para 2021 é vacinar 20% da população mundial, incluindo os habitantes dos países mais pobres.

Portugal começou a sua campanha de vacinação em 27 de dezembro com a inoculação de profissionais de saúde de hospitais.

O diretor-executivo do Programa de Emergências de Saúde da OMS, Michael Ryan, assinalou que a vacina, sendo "um grande avanço, não é a solução para todos os problemas".

"Temos de ser realistas", afirmou, sublinhado que é preciso "continuar com as medidas básicas", como o distanciamento físico, que, assinalou, diminuiu.

Segundo Michael Ryan, "as pessoas estão a aumentar os seus contactos", o que tem levado à "aceleração rápida" de novas infeções em todas as regiões do mundo.

"O vírus está a explorar a nossa fadiga", vincou, avisando, numa referência às novas variantes, mais contagiosas, que o coronavírus da covid-19 "está mais adaptado", pelo que é necessário "lutar de forma mais eficaz".

"Não estamos a conseguir romper as cadeias de transmissão comunitária", referiu, por sua vez, o diretor-geral da OMS, alertando para a "imensa pressão" sobre os hospitais e serviços de saúde.

A pandemia da covid-19 provocou pelo menos 1.994.833 mortos resultantes de mais de 93 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência noticiosa francesa AFP.

Em Portugal, morreram 8.543 pessoas dos 528.469 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A covid-19 é uma doença respiratória causada por um novo coronavírus (tipo de vírus) detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+