Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

Centro Europeu pede "esforços atempados" à UE face a nova variante de Covid-19

20 dez, 2020 - 18:42 • Lusa

Dinamarca, Holanda e Bélgica já registaram casos da nova estirpe. Pelo menos sete países europeus já restringiram ligações com o Reino Unido e espera-se uma decisão conjunta dos 27.

A+ / A-

Veja também:


O Centro Europeu para Controlo e Prevenção de Doenças (ECDC) pediu este domingo aos países da União Europeia (UE) que façam “esforços atempados” para controlar a nova variante do SARS-CoV-2 que apareceu no Reino Unido, nomeadamente durante o Natal.

“Dado que não existem atualmente provas que indiquem até que ponto a nova variante do vírus se está a propagar fora do Reino Unido, são necessários esforços atempados para prevenir e controlar a sua propagação”, exorta o ECDC, num relatório hoje publicado sobre o aumento rápido de casos no Reino Unido desta nova variante da Covid-19.

E deixa um aviso:

“Se o aumento das reuniões familiares e sociais que são tradicionais nesta altura do ano não for reduzido, […] e especialmente se as viagens não essenciais não forem reduzidas ou evitadas completamente, poderá eventualmente levar a que a variante substitua as variantes atualmente em circulação em grande parte da UE e Espaço Económico Europeu.”

Foi aliás, por isso, que vários países já suspenderam ligações ao Reino Unido.

O centro europeu contextualiza que, “embora se saiba e se espere que os vírus mudam constantemente através da mutação levando ao aparecimento de novas variantes, a análise preliminar no Reino Unido sugere que esta variante é significativamente mais transmissível do que as anteriormente em circulação, com um […] aumento estimado de transmissibilidade de até 70%”.

O ECDC aponta, então, a necessidade de os países emitirem “orientações para se evitarem viagens e atividades sociais não essenciais”.

Ao mesmo tempo, esta agência europeia defende que “as pessoas com uma ligação epidemiológica a casos com a nova variante ou histórico de viagens a áreas conhecidas como afetadas devem ser identificadas imediatamente para testar, isolar e acompanhar os seus contactos, a fim de impedir a propagação da nova variante”.

O ECDC pede, ainda, que casos suspeitos sejam analisados e monitorizados em laboratório e que, assim que as autoridades públicas detetem esta ou outra variante, informem de imediato os outros países europeus através do Sistema de Alerta Rápido e Resposta da União Europeia.

Além disso, numa altura em que o Reino Unido já iniciou os processos de vacinação e a UE se prepara para arrancar esse processo, “é necessário assegurar um acompanhamento rigoroso dos indivíduos vacinados contra a Covid-19 para identificar possíveis falhas de vacinação e infeções de rutura”, sustenta o centro europeu, embora afastando qualquer relação.

Covid-19. A nova variante que está a preocupar a Europa
Covid-19. A nova variante que está a preocupar a Europa

Como esta é ainda uma mutação pouco conhecida dos especialistas, o ECDC admite não haver “indicação, neste momento, de aumento da gravidade da infeção associada à nova variante”, ainda que confirme casos na Dinamarca e Holanda.

O centro europeu fala, ainda, em casos da nova estirpe na Bélgica, recorrendo às notícias avançadas pela imprensa local.

“As investigações sobre as propriedades desta nova variante estão em curso, e até à data não foi comunicada […] uma mortalidade mais elevada ou grupos particularmente afetados”, refere o ECDC no seu relatório.

Já sobre potenciais explicações para esta nova variante, bastante mais contagiosa, o ECDC aponta que pode estar relacionado com eventuais casos de infeção prolongada ou com eventual transmissão de animais para seres humanos, embora indique que tal hipótese foi afastada pelas autoridades de saúde britânicas.

Afastada é a possibilidade de a nova estirpe estar relacionada com o processo de vacinação em curso no Reino Unido, segundo o centro europeu: “É improvável que a variante tenha surgido através […] dos programas de vacinação em curso, uma vez que o aumento observado não corresponde ao calendário de tais atividades”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+