Tempo
|
A+ / A-

Tribunal dita sentenças até 30 anos de prisão por ataque ao Charlie Hebdo

16 dez, 2020 - 16:57

Advogado do jornal satírico diz que decisão judicial deixa uma clara mensagem de que quem se envolve em redes terroristas é severamente castigado.

A+ / A-

Um tribunal francês condenou esta quarta-feira 14 jihadista a penas de prisão de entre 4 e 30 anos pelos ataques de janeiro de 2015 à redação do jornal satírico "Charlie Hebdo" e a um supermarcado judaico em Paris.

Entre os 14 condenados conta-se Hayat Boumeddiene, parceira de Amedy Coulibaly, que matou uma agente da polícia e quatro pessoas no supermercado. Coulibaly foi morto na sequência do ataque e a sua parceira foi agora condenada a 30 anos de cadeia.

Uma de três suspeitos julgadas à revelia, Boumeddiene foi declarada culpada de financiamento de organizações terroristas e pertença a uma rede criminosa terrorista.

Pouco depois dos ataques soube-se que tinha conseguido fugir do país e que se encontrava na Síria. Desde então o seu paradeiro é desconhecido. Chegou a pensar-se que tinha sido morta num ataque aéreo levado a cabo pelos americanos contra posições do Estado Islâmico, mas há indícios de que poderá, afinal, ainda estar viva.

O ataque à redação do Charlie Hebdo foi levado a cabo pelos irmãos Said e Cherif Kouachi, na manhã de 7 de janeiro de 2015 e resultou na morte de 12 pessoas. Os jihadistas justificaram o ataque pelo facto de o jornal satírico ter publicado caricaturas de Maomé, cerca de uma década antes.

Na mesma altura Coulibaly matou uma polícia e quatro refens num ataque a um supermercado judaico num subúrbio de Paris.

Os três diretamente envolvidos acabaram todos por ser mortos pelas autoridades, mas várias pessoas foram entretanto julgadas por participação indireta nos atos de terrorismo.

Em declarações feitas depois da leitura das sentenças, o advogado do Charlie Hebdo disse que as condenações passam uma mensagem importante à sociedade, mostrando que não pode haver terrorismo sem cúmplices e sem redes de apoio e que a participação nessas redes será severamente punida.

[em atualização]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+