Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Regulador britânico alerta: Quem tem alergias "significativas" não deve tomar vacina da Pfizer

09 dez, 2020 - 12:21 • Redação com agências

A pandemia já matou pelo menos 1.557.814 pessoas no mundo.

A+ / A-

Veja também:


As pessoas com histórico de “alergias significativas” não devem receber a vacina da Pfizer/BioNtech, alerta o regulador médico britânico.

O aviso é lançado após dois profissionais do NHS (serviço nacional de saúde) terem reagido mal à vacina, avança a BBC.

Os dois profissionais, que tinham um histórico clínico de alergias graves, desenvolveram uma “reação anafilática” pouco depois de serem imunizados contra a Covid-19, mas estão “a recuperar bem”.

Todos os hospitais ingleses participantes neste programa foram informados.

Os reguladores britânicos da saúde e medicamento pedem também que os centros onde as vacinas estão a ser administradas tenham instalações adequadas para atender aos afetados em caso de algum tipo de reação.

A Pfizer confirmou já ter tido conhecimento dos avisos e disse estar a apoiar a agência reguladora na investigação em curso à reacção alérgica, em conjunto com a parceira BioNTech.

A vacinação começou na terça-feira em cinquenta grandes hospitais do Reino Unido, no que o Governo chamou de “Dia V” (dia do V ou vacinação). As primeiras doses destinam-se a pessoas com mais de 80 anos e funcionários do setor de saúde e lares de idosos.

A primeira pessoa do Reino Unido a receber a vacina contra a Covid-19, desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Pfizer e a sua associada alemã BioNTech, foi uma mulher de 90 anos.

Margaret Keenan foi filmada enquanto lhe era administrada a vacina no Hospital Universitário de Coventry, no centro de Inglaterra.

O Reino Unido comprou milhões de doses a sete produtores diferentes

A pandemia do novo coronavírus matou pelo menos 1.557.814 pessoas no mundo desde que a OMS relatou o início da doença em dezembro, segundo um levantamento realizado pela agência France Presse junto de fontes oficiais às 11h00.

Mais de 68.208.890 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados desde o início da pandemia e pelo menos 43.341.100 pessoas já foram consideradas curadas.

Os Estados Unidos são o país mais afetado até agora em termos de mortes e casos, com 286.338 óbitos em 15.172.602 casos, de acordo com o levantamento da Universidade Johns Hopkins. Pelo menos 5.786.915 pessoas já foram declaradas curadas no país.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 178.159 mortes e 6.674.999 casos, a Índia com 141.360 óbitos (9.735.850 casos), o México com 110.874 mortes (1.193.255 casos) e o Reino Unido com 62.033 óbitos (1.750.241 casos).

Entre os países mais atingidos, a Bélgica é o que regista o maior número de mortes em relação à sua população, com 151 mortes por 100.000 habitantes, seguida do Peru (110), Itália (101), Espanha (100).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    09 dez, 2020 évora 13:39
    Não morres do mal morres da cura , deviam ter - se dedicado este tempo todo a um anti viral para a Covid - 19 . A ou as vacinas , tirando a Chinesa e a Russa ( mesmo conteúdo ) , é propaganda de laboratórios , nada vai fazer e até terá piores resultados em mais de 50 % das pessoas . Quem recombinou o vírus tem mais hipóteses de vingar na vacina , os Chineses , braço direito dos Russos .

Destaques V+