Tempo
|
A+ / A-

Comissão Europeia assina quinto contrato de compra de vacinas para a Covid-19

30 nov, 2020 - 15:12 • Olímpia Mairos

Presidente da Comissão Europeia anuncia assinatura de contrato com a CureVac para o portefólio de vacinas da União Europeia.

A+ / A-

Veja também:


A Comissão Europeia anunciou esta segunda-feira a assinatura do quinto contrato de compra de vacinas para a Covid-19.

O anúncio foi feito no Twitter pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

“Assinamos hoje o nosso quinto contrato de vacinas com a CureVacRNA”, escreveu Ursula von der Leyen, assinalando que, com este passo, a União Europeia tem garantidas “quase dois mil milhões de doses da futura vacina”.

A presidente da Comissão Europeia assinala ainda que “a Europa estará em condições de adquirir a vacina, depois de comprovada a eficácia, antes do final deste ano”.


O objetivo da Comissão Europeia é conseguir uma carteira de seis potenciais vacinas para a Covid-19, que serão disponibilizadas ao mesmo tempo para todos os Estados-membros, sendo que a quantidade atribuída será baseada na população.

O anúncio do contrato com a empresa europeia CureVac foi feito no dia em que a farmacêutica norte-americana Moderna avançou o pedido de utilização de emergência da sua vacina para a Covid-19 aos reguladores do medicamento europeu e norte-americano.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.453.074 mortos resultantes de mais de 62,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Portugal contabiliza pelo menos 4.427 mortos associados à Covid-19 em 294.799 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país está em estado de emergência desde 9 de novembro e até 8 de dezembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+