Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19: Agência Europeia poderá aprovar vacinas até ao final do ano

23 nov, 2020 - 13:15 • Lusa

EMA estabeleceu um procedimento acelerado, que permite examinar os dados de segurança e eficácia da vacina à medida que se tornam disponíveis, mesmo antes de um pedido formal de autorização ser apresentado pelos fabricantes.

A+ / A-

Veja também:


A Agência Europeia de Medicamentos (EMA), que analisa os pedidos de autorização de três requerentes, poderá aprovar as primeiras vacinas contra a covid-19 até ao final do ano ou início de 2021.

"É difícil neste ponto prever com precisão os prazos para a autorização da vacina, pois ainda não temos todos os dados e os testes que atualmente estão em andamento", disse a EMA num e-mail enviado à agência de notícias AFP.

“Dependendo do andamento da avaliação, a EMA pode de facto conseguir concluir a avaliação dos candidatos mais avançados no final deste ano ou início do próximo”, referiu a Agência.

A EMA estabeleceu um procedimento acelerado, que permite examinar os dados de segurança e eficácia da vacina à medida que se tornam disponíveis, mesmo antes de um pedido formal de autorização ser apresentado pelos fabricantes.


As vacinas da Oxford/AstraZeneca, da Pfizer/BioNTech e da Moderna são os três projetos a ser sujeitos a esta "revisão contínua".

Com sede em Amsterdão, nos Países Baixos, a missão da EMA é autorizar e controlar medicamentos na União Europeia (UE).

A luz verde final, dada pela Comissão Europeia, permite aos laboratórios comercializarem os seus medicamentos em toda a UE.

Esta declaração da EMA ocorre depois de a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, dizer na semana passada que a agência poderia aprovar vacinas testadas pela Pfizer-BioNTech e pela Moderna "na segunda quinzena de dezembro".


O laboratório britânico AstraZeneca, associado à Universidade de Oxford, anunciou na segunda-feira que desenvolveu uma vacina eficaz a 70% em média, ou até 90% em alguns casos, segundo resultados intermediários.

Esses resultados parecem, por enquanto, menos convincentes que os dos seus concorrentes da Pfizer/BioNTech ou Moderna, cuja eficácia ultrapassa 90%, mas a fórmula britânica tem a vantagem de usar uma tecnologia mais tradicional, tornando a sua futura vacina menos cara e mais fácil de armazenar.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.381.915 mortos resultantes de mais de 58,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.897 pessoas dos 260.758 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+