Tempo
|
A+ / A-

Caso Navalny. Rússia responde a sanções da UE com sanções à Alemanha e França

12 nov, 2020 - 18:37 • Lusa

Segundo a agência Interfax, os visados são os chefes de gabinete da chanceler alemã, Angela Merkel, e do Presidente francês, Emmanuel Macron.

A+ / A-

A Rússia adotou sanções contra altos funcionários alemães e franceses em resposta às restrições impostas pela União Europeia a seis autoridades russas e a uma entidade que acredita terem estado envolvidas na tentativa de assassínio do opositor Alexei Navalny.

“As sanções vão afetar altos cargos das administrações dos líderes da Alemanha e França”, afirmou esta quinta-feira o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Serguei Lavrov, em conferência de imprensa por videoconferência com meios de comunicação russos e estrangeiros.

Segundo a agência Interfax, os visados são os chefes de gabinete da chanceler alemã, Angela Merkel, e do Presidente francês, Emmanuel Macron.

“Tendo em conta que a promotora de sanções comunitárias em relação a [Alexei] Navalny [opositor russo envenenado] foi a Alemanha e que afetam diretamente altos funcionários da administração presidencial da Rússia, as nossas sanções serão recíprocas”, disse Lavrov.

Segundo relatou, as sanções russas também vão afetar a França, já que a lista da UE foi preparada com base numa proposta conjunta de Paris e Berlim.

Essa lista, segundo Bruxelas, incluía “evidências” sobre o envenenamento de Navalny em agosto passado com um agente tóxico do grupo Novichok, uma substância química soviética proibida.

Lavrov observou que as sanções russas já foram adotadas e vão ser anunciadas “em breve” às partes afetadas.

A 20 de agosto, Navalny adoeceu gravemente e foi internado num hospital russo, em Omsk, na Sibéria, e transferido dois dias depois para outra unidade hospitalar em Berlim.

Posteriormente, um laboratório especializado na Alemanha encontrou indícios claros de que o opositor havia sido envenenado com um agente neurotóxico do grupo Novichok, o que foi corroborado por outros laboratórios em França e na Suécia e pela Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).

“Apenas as autoridades estatais russas têm acesso a este agente nervoso”, sublinhou a União Europeia, ao adotar as sanções no dia 15 de outubro.

Por sua vez, a Rússia sempre negou qualquer envolvimento no atentado contra a vida de Navalny e afirmou continuamente que não houve envenenamento, mas que o opositor sofria de problemas metabólicos e pancreatite.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+