Tempo
|
A+ / A-

Pandemia

Biden apresenta a sua equipa de especialistas para combate à Covid-19 nos EUA

09 nov, 2020 - 19:39 • Lusa

Do grupo anunciado pelo Presidente eleito faz parte o imunologista Rick Bright, diretor-geral da Saúde até abril, quando foi afastado por Trump por não concordar com uso de hidroxicloroquina em doentes Covid-19.

A+ / A-

O Presidente eleito dos EUA anunciou esta segunda-feira que o ex-cirurgião-geral Vivek Murthy, o ex-comissário da agência do medicamento (Food and Drug Administration), David Kessler, e a investigadora da Universidade de Yale Marcella Nunez-Smith vão co-presidir à sua equipa multidisciplinar de combate à pandemia de Covid-19 nos EUA.

O grupo, que tem como missão primeira traçar uma estratégia para conter a propagação do coronavírus até à tomada de posse de Joe Biden, em janeiro, conta ainda com Rick Bright, especialista em vacinas e antigo diretor da Autoridade de Pesquisa e Desenvolvimento Avançado Biomédico.

Bright registou uma denúncia alegando ter sido transferido para um cargo inferior por ter resistido à pressão política para permitir o uso generalizado de hidroxicloroquina, um medicamento contra a malária promovido pelo Presidente Donald Trump como tratamento para a Covid-19.

Os restantes membros incluem Luciana Borio, especialista em biodefesa, Ezekiel Emanuel, oncologista e presidente de bioética do Instituto Nacional de Saúde, Atul Gawande, conselheiro de saúde do governo Clinton e especialista em cirurgia e Celine Gounder, especialista em doenças infecciosas que estudou p HIV/Sida e tuberculose.

O grupo é ainda composto por Julie Morita, especialista em pediatria e imunização; Michael Osterholm, especialista em doenças infecciosas e epidemiologia, Loyce Pace, especialista em saúde global e Robert Rodriguez, especialista em medicina de emergência que fez investigação sobre a saúde mental de afetados por Covid-19.

A equipa conta ainda com Eric Goosby, especialista em doenças infecciosas que trabalhou com o vírus HIV/Sida.

O anúncio da criação deste grupo foi feito por Joe Biden no domingo, tendo como objetivo a preparação de uma estratégia contra a propagação da pandemia, que esteja pronta quando Biden tomar posse, em 20 de janeiro, como Presidente dos Estados Unidos.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.255.803 mortos em mais de 50,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (237.584) e também com mais casos de infeção confirmados (mais de 9,9 milhões).

Seguem-se, em número de mortos, o Brasil (162.397 mortos, mais de 5,6 milhões de casos), a Índia (126.611 mortos e mais de 8,5 milhões de infetados), o México (95.027, mais de 967 mil infetados) e o Reino Unido (49.044 mortos, mais de 1,1 milhões de casos).

A Rússia, com 30.546 mortos, é o quarto país do mundo em número de infetados, depois dos EUA, da Índia e do Brasil, com mais de 1,7 milhões de casos, seguindo-se França, com mais de 1,7 milhões de casos e 40.169 mortos, Espanha, com mais de 1,3 milhões de casos e 38.883 mortos, Argentina, com mais de 1,2 milhões de casos e 33.560 mortos, e Colômbia, com mais de 1,1 milhões de casos e 32.595 mortos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Nelson Soares
    09 nov, 2020 Castanheira Ribatejo 22:25
    Ainda não é Presidente da USA, ainda nenhum estado legitimou, verificação da maior fraude ao vivo que acompanhei ao longo de meses e consumado à frente de quem não quiz ver. Software não verficável em funcionamento, cédulas falsas, taparam os espaços de contagem e verificação, afastados a grande maioria de republicanos que faziam verificação, transbordo dos votos com todas as hipóteses de troca e simulação de entrega... Só a Verdade vos torna livres.

Destaques V+