Tempo
|
A+ / A-

“Cala-te, homem”. Dez momentos da campanha presidencial Trump vs. Biden

03 nov, 2020 - 07:10 • Redação com Reuters

O caminho até às eleições presidenciais desta terça-feira nos Estados Unidos foi sinuoso, tumultuoso e atípico. A pandemia de Covid-19 marcou de forma indelével a campanha, que decorreu em paralelo com manifestações em defesa das vidas negras e por mais justiça racial. Velhas feridas foram abertas. É esta América que o próximo Presidente vai liderar. Donald Trump ou Joe Biden? Os americanos vão decidir se despedem ou mantém o atual Presidente na Casa Branca.

A+ / A-


1. Trump livra-se da destituição

Depois de meses de notícias sobre alegadas pressões sobre a Ucrânia para investigar o adversário democrata Joe Biden, em troca de milhões de dólares em ajuda militar, o Presidente norte-americano foi absolvido no processo de destituição. A votação decisiva aconteceu a 5 de fevereiro, no Senado. Donald Trump foi “salvo” pelos seus parceiros do Partido Republicano e tinha caminho aberto para a reeleição nas presidenciais de novembro.

A absolvição aconteceu um dia depois do Estado da União, o discurso anual mais importante do líder da Casa Branca. Trump aproveitou para fazer o autoelogio da sua administração, reclamando os louros pelo desemprego historicamente baixo naquela altura (3,5%), uma economia a crescer e o mercado bolsista em alta. Mas, em poucos meses, um vírus mudou tudo.

De reencontros familiares à promessa do "grande regresso americano". O reality show do Estado da União
De reencontros familiares à promessa do "grande regresso americano". O reality show do Estado da União

2. Ponto de viragem para Biden

As primárias do Partido Democrata na Carolina do Sul marcaram uma mudança na sorte do candidato a candidato à Casa Branca. Joe Biden, nascido há 77 anos, em Scranton, na Pensilvânia, tinha somado duas derrotas preocupantes no Iowa e New Hampshire e as coisas pareciam tremidas para o vice-presidente de Barack Obama.

Os assessores de campanha acreditavam que o vento ia mudar nos estados com mais eleitores afroamericanos. E tinham razão. Biden vence na Carolina do Sul e ganha balanço para o resto da corrida. Dois dias depois, o político veterano sai como o grande vencedor da importante Super Terça-Feira. Conquista nove dos 14 estados e um território norte-americanos em disputa, enquanto o principal adversário na corrida democrata, o senador Bernie Sanders, que seguia na frente das sondagens até aí, vence apenas três. Biden mostra que pode ser o melhor democrata a tirar votos a Trump entre os eleitores moderados no Midwest e noutras zonas dos Estados Unidos.

"Esta campanha vai obrigar Donald Trump a fazer as malas". Biden vence super terça-feira
"Esta campanha vai obrigar Donald Trump a fazer as malas". Biden vence super terça-feira

3. Trump obrigado a declarar emergência

Depois de semanas a desvalorizar os efeitos da pandemia de Covid-19, o Presidente norte-americano declara emergência nacional, a 13 de março, perante o aumento explosivo do número de mortes e casos. Trump coloca 50 mil milhões de dólares à disposição dos estados para fazerem face ao problema de saúde pública e fica com mais poder para tomar medidas. O vírus mudou a vida dos americanos e, das escolas aos negócios, paralisou boa parte do país. A gestão da pandemia tornou-se num dos principais temas da campanha e arma de arremesso entre Trump e Biden.

No dia anterior, tinha feito uma declaração ao país, a partir da Sala Oval, a culpar a Europa pela propagação do novo coronavírus e a anunciar a suspensão dos voos para o "Velho Continente", exceto Reino Unido. Antes já tinha tomada medida idêntica em relação à China.

Trump anuncia suspensão de todos os voos da Europa para os EUA. Reino Unido é exceção
Trump anuncia suspensão de todos os voos da Europa para os EUA. Reino Unido é exceção

4. Sanders desiste a favor de Biden

Ao contrário do que tinha feito quatro anos antes com Hillary Clinton, desta vez Bernie Sanders não levou a candidatura à nomeação democrata até convenção democrata. O senador, de 79 anos, desistiu a meio – a 8 de abril - e anunciou o apoio a Joe Biden. A decisão de Sanders permitiu, a sete meses das eleições, que Biden concentrasse todos os meios e esforços na campanha para tirar Donald Trump da Casa Branca.

5. Lixívia contra a Covid?!

Os Estados Unidos aproximavam-se das 50 mil mortes por Covid-19 e Donald Trump, num dos seus briefings diários, sai fora do guião e sugere que os americanos injetem lixívia para eliminar o coronavírus.

Perante a surpreendente recomendação do Presidente, os especialistas em saúde pública foram obrigados a vir a público recordar o básico: "é perigoso ingerir desinfetantes e produtos tóxicos. Pode levar à morte, não faça isso em casa". Foi só sarcasmo, tentou justificar mais tarde o homem mais poderoso dos EUA, que até abril tinha a aprovação do público na gestão da crise.

O incidente acabou com Trump a criticar os jornalistas e a suspender as conferências de imprensa diárias, marcadas por vários episódios e comentários insólitos e que demonstraram a impreparação do líder norte-americano para sobre a pandemia. Por várias vezes desafiou os cientistas e em diversas ocasiões acabou corrigido por Anthony Fauci, o principal especialista da equipa da Casa Branca na luta contra a Covid-19.

Luz ultravioleta e injeções com desinfetante. As propostas perigosas de Trump para a cura de Covid-19
Luz ultravioleta e injeções com desinfetante. As propostas perigosas de Trump para a cura de Covid-19

6. “Lei e ordem”

Os Estados Unidos choravam a morte do afroamericano George Floyid, às mãos da polícia, e milhares protestavam em defesa das vidas negras dos Estados Unidos. Perante o clamor das ruas, Donald Trump recuperou a máxima “lei e ordem”, do antigo Presidente Ronald Reagan, e comparou os protestos a “terror interno”.

A 1 de junho, mandou polícia de intervenção dispersar – com gás lacrimogéneo - uma manifestação pacífica na avenida em frente à Casa Branca, para atravessar a rua até à Igreja de S. João, também conhecida como Igreja dos Presidentes. Só parou em frente ao templo religioso, para se deixar fotografar com uma Bíblia na mão direita. A manobra do Presidente foi bastante criticada, nomeadamente por líderes religiosos, e incompreendida pela maioria de norte-americanos que apoiava os protestos por mais justiça racial. A taxa de aprovação caiu para os níveis mais baixos em sete meses.


7. Kamala faz equipa com Biden

Com a nomeação democrata garantida, estava na hora de Joe Biden eleger o seu colega de equipa e candidato vice-presidente. O anúncio aconteceu a 11 de agosto e a escolha recaiu sobre a Kamala Harris.

Ex-adversária nas primárias, a senadora da Califórnia – de ascendência indiana e jamaicana – chegou a criticar Biden de colaborar com políticos racistas na década de 70, mas as diferenças foram ultrapassadas e os rivais passaram a aliados para tentar derrubar Trump.

Kamala, que exerceu advocacia durante três décadas, demonstrou ser um trunfo importante na corrida à Casa Branca, injetando energia na campanha e muitos donativos provenientes de apoiantes.

8. A morte da juíza Ginsburg

A juíza Ruth Bader Ginsburg morreu aos 87 anos e abriu-se uma vaga no Supremo Tribunal dos Estados Unidos. A respeitada defensora de causas liberais e heroína da esquerda progressista não resistiu a um cancro e faleceu a 18 de setembro, a menos de dois meses das presidenciais.

Donald Trump não desperdiçou a oportunidade para indicar um juiz conservador e apressou-se a revelar o nome da sucessora. A escolhida foi Amy Coney Barret, católica praticante e defensora dos valores tradicionais em matérias como aborto e direitos dos homossexuais.

Ao contrário do que tinham defendido nos tempos do Presidente Barack Obama, os republicanos não tiveram qualquer problema em dar luz verde à nova juíza do Supremo na contagem decrescente para as eleições.

9. O pior debate da história

Vinte e de setembro fica marcado como o dia de um dos debates presidenciais mais caótico e agressivo na história da ciência política norte-americana. O frente-a-frente entre os candidatos não foi bonito de se ver. Trump já tinha passado a “linha vermelha” nos embates televisivos com Hillary Clinton, na campanha de 2016. Mas desta vez aumentou a intensidade e o nível desceu.

À procura de ganhar balanço e garantir a reeleição, Trump atacou a família de Joe Biden e foi incapaz de criticar as milícias de extrema-direita e os grupos supremacistas brancos. O Presidente dirigiu-se a um desses movimentos, os Proud Boys, pedindo que recuassem e “ficassem a postos”. Biden confrontou Trump com o facto de não pagar impostos, com a forma como não liderou o combate à Covid-19 e respondeu aos insultos e constantes interrupções do adversário com um “cala-te, homem”.

Trump desistiu do segundo debate, que seria em formato virtual depois de ter ficado infetado com o novo coronavírus. O frente-a-frente acabaria por acontecer mais tarde, a 22 de outubro, num tom mais calmo e com o moderador a ter um botão para cortar o som dos microfones dos candidatos, para evitar "atropelos" e interrupções.

Trump e Biden no primeiro frente a frente: o essencial do caótico debate
Trump e Biden no primeiro frente a frente: o essencial do caótico debate

10. Trump positivo à Covid-19

Após semanas de comícios com casa cheia e poucas regras de segurança sanitária, como se não houvesse uma pandemia, Trump e vários assessores testam positivo à Covid-19. O Presidente, de 74 anos, chega a ser internado num hospital militar e é sujeito a um tratamento experimental, vedado ao americano comum.

Quando recebeu alta, as suas primeiras palavras foram um apelo à população: "não tenham medo da Covid-19" nem deixem "a doença dominar as vossas vidas". Os Estados Unidos são o país do mundo com mais mortes (231 mil) e casos do novo coronavírus (mais de 9,2 milhões), e a curva não está a diminuir.

O Presidente manteve a atitude desafiante. Quando regressou à Casa Branca, depois de vários dias de hospitalização, retirou a máscara e organizou uma festa com dezenas de pessoas. A doença de Trump manteve a pandemia como tema central da campanha presidencial e pode custar-lhe votos preciosos a 3 de novembro.

Trump tem alta hospitalar e tira máscara na Casa Branca. “Se calhar sou imune. Não tenham medo da Covid-19”
Trump tem alta hospitalar e tira máscara na Casa Branca. “Se calhar sou imune. Não tenham medo da Covid-19”
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+