Tempo
|
A+ / A-

EUA autorizam uso de plasma de recuperados da Covid-19

24 ago, 2020 - 12:40

A informação foi avançada pelo Presidente dos Estados Unidos. No mesmo dia, Donald Trump adiantou que, “muito em breve”, existirão novidades sobre a vacina contra a Covid-19.

A+ / A-

Veja também:


O plasma de doentes recuperados do novo coronavírus pode ser utilizado para tratar outros pacientes em condições especificas. A informação foi avançada, em conferência de imprensa, este domingo, pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Donald Trump descreveu o processo como “um tratamento poderoso” e considera-o “um anúncio histórico”. A terapia foi testada em mais de 70 mil pacientes, mas a agência norte-americana de medicamentos (FDA, na sigla inglesa) - que deu luz verde ao tratamento - realçou que só alguns doentes mostraram melhorias.

O comissário da FDA, Stephen Hahn, disse aos jornalistas que “ser uma das 25 pessoas cujos dados mostram que sobrevive após o tratamento, é muito significativo para a pessoa em questão e para a família”.

A agência sublinhou, ainda, que o plasma está dependente das doações de sangue, não podendo ser fabricado em massa.

“Existem pessoas na FDA e no Departamento da Saúde e Serviços Humanos que podem ter tentado reter” a autorização do tratamento, acusou Trump, na conferência de imprensa onde estavam presentes o comissário da agência norte-americana e o secretário da Saúde e Serviços Humanos, Alex Michael Azar II.

O Presidente anunciou que, “muito em breve”, seriam divulgadas novidades sobre vacinas. “Temos tido resultados fantásticos, não vamos deixar que sejam retidos”.

No dia anterior ao anúncio, Donald Trump publicou um tweet em que alegando que alguém na agência estava a “dificultar as empresas farmacêuticas de testar as vacinas”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+