Tempo
|
A+ / A-

Regina Duarte demite-se da Secretaria de Cultura do Brasil

20 mai, 2020 - 14:34 • Dina Soares

Atriz esteve menos de três meses à frente da pasta da Cultura do governo do Presidente Jair Bolsonaro, um curto mandato marcado por várias polémicas.

A+ / A-

Veja também:


A secretária de Cultura do Brasil, Regina Duarte, demitiu-se esta quarta-feira, após uma reunião com o Presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada.

A saída da atriz foi já comentada por Jair Bolsonaro nas redes sociais: “Regina Duarte relatou que sente falta de sua família, mas para que ela possa continuar contribuindo com o Governo e a Cultura Brasileira assumirá, em alguns dias, a Cinemateca em SP. Nos próximos dias, durante a transição, será mostrado o trabalho já realizado nos últimos 60 dias”, diz o Presidente brasileiro.

A notícia está em todos os jornais brasileiros. Regina Duarte tomou posse a 4 de março, e ficou pouco mais de dois meses à frente da Secretaria.

Durante esse tempo, foram muitas as polémicas em que se envolveu com atores e membros de outras classes artísticas.

O momento mais marcante do seu mandato foram as declarações que fez na CNN a 7 de maio, quando relativizou as mortes ocorridas durante a ditadura militar, recusou-se a ouvir uma pergunta e abandono o estúdio onde a entrevista decorria em direto.

Confrontada com a chuva de críticas de quem tem sido alvo, Regina Duarte, que já representou reconhecidos papéis em telenovelas brasileiras, explicou porque apoia o Governo de Jair Bolsonaro.

“Porque acredito que ele era, e continuar a ser, a melhor opção para o país. Mas dizem ele fez isto, ou aquilo. Eu não quero ficar a olhar para trás. Se não vou dar trombada. Posso cair no precipício, ali à frente. Tem de olhar para frente, ser construtivo e amar o país.”

É aqui que Regina Duarte afirma: “Ficar cobrando coisas que aconteceram nos anos 60, 70 ou 80, gente, vamos embora para a frente.” E desconversa, começando a cantar o hino da seleção brasileira na Copa do Mundo FIFA de 1970 que dizia: ““para frente Brasil, salve a seleção”.

O jornalista lembrou atriz que no período da ditadura “muita gente morreu”, ao que a responsável da Cultura do Brasil responde que “na Humanidade não pára de morrer gente. Se fala vida, do outro lado tem morte, porquê olhar para trás…porquê?”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    21 mai, 2020 Viseu 12:17
    Os jornalistas em geral são demasiado silenciosos e muito compreensivos com os governos social-comunistas e concretamente com os abusos do último governo de Lula que irá passar umas férias na prisão… Concordo com o que disse Regina Duarte!

Destaques V+