Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

​Coronavírus. África pode perder 20 milhões de empregos devido à pandemia

05 abr, 2020 - 16:50 • Reuters

Os governos do continente podem perder de 20 a 30% de sua receita fiscal, estimada em 500 mil milhões de dólares (458 mil milhões de euros) em 2019, constatou também um estudo da União Africana.

A+ / A-

Veja também:


Cerca de 20 milhões de empregos estão em risco em África, já que as economias do continente devem encolher este ano devido ao impacto da pandemia de coronavírus, de acordo com um estudo da União Africana (UA).

Até agora, África responde por apenas uma pequena fração do total de casos da doença que infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, de acordo com um relatório da Reuters.

Mas as economias africanas já estão a enfrentar uma crise económica global iminente, com uma queda nos preços do petróleo e das mercadorias, bem como um setor de turismo a implodir.

Antes do início da pandemia, o crescimento do produto interno bruto (PIB) em todo o continente tinha sido projetado pelo Banco Africano de Desenvolvimento para atingir 3,4% este ano.

No entanto, em ambos os cenários modelados pelo estudo da UA – analisado pela Reuters e intitulado "Impacto do coronavírus na economia de África" – o PIB diminuirá.

De acordo com o que os analistas da UA consideraram um cenário realista, a economia de África encolherá 0,8%, enquanto que o cenário pessimista diz que haverá uma queda de 1,1%.

Até 15% do investimento estrangeiro direto pode desaparecer.

E o impacto no emprego será dramático.

"Quase 20 milhões de empregos, tanto nos setores formais como informais, estão ameaçados de destruição no continente se a situação continuar", afirma a análise.

Os governos africanos podem perder de 20 a 30% de sua receita fiscal, estimada em 500 mil milhões de dólares (458 mil milhões de euros) em 2019, constatou o estudo.

Enquanto isso, projeta-se que as exportações e importações caiam pelo menos 35% em relação aos níveis de 2019, resultando numa perda no valor do comércio de cerca de 270 mil milhões de dólares. Isto ocorre no momento em que a luta contra a disseminação do vírus leva a um aumento no gasto público de pelo menos 130 mil milhões.

Os produtores de petróleo de África, que viram o valor de suas exportações cair nas últimas semanas, estarão entre os mais atingidos.

Os maiores produtores de petróleo da África Subsaariana, Nigéria e Angola, sozinhos, poderiam perder 65 mil milhões de dólares em receita. Os exportadores africanos de petróleo deverão ver seus déficits orçamentais dobrar este ano, enquanto as suas economias encolherão em média 3%.

Os destinos turísticos africanos também sofrerão.

Nos últimos anos, África esteve entre as regiões que mais crescem no mundo para o turismo. Mas com as fronteiras agora fechadas para impedir a propagação da doença e companhias aéreas inteiras em terra, o setor foi quase totalmente fechado.

Os países onde o turismo constitui uma grande parte do PIB verão as suas economias contraírem uma média de 3,3% este ano.

No entanto, os principais pontos turísticos da África, Seicheles, Cabo Verde, Maurícias e Gâmbia encolherão pelo menos 7%.

"No cenário médio, o setor do turismo e viagens em África pode perder pelo menos 50 mil milhões de dólares devido à pandemia da covid-19 e pelo menos 2 milhões de empregos diretos e indiretos", diz o estudo da UA.

As remessas de africanos que vivem no exterior – o maior fluxo financeiro do continente na última década – dificilmente amortecerão o golpe.

"Com a atividade económica em declínio em muitos países avançados e emergentes, as remessas para África podem sofrer declínios significativos", conclui a análise.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+