Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Arábia Saudita

Pena capital para cinco dos condenados pela morte do jornalista Jamal Khashoggi

23 dez, 2019 - 10:30 • Marta Grosso

No total, foram condenadas oito pessoas. Khashoggi foi assassinado em outubro, no consulado da Arábia Saudita na Turquia. Era um forte crítico do reino.

A+ / A-

A justiça saudita condenou, nesta segunda-feira, oito pessoas pela morte do jornalista Jamal Khashoggi. Cinco foram condenadas à morte e três a 24 anos de prisão.

Khashoggi foi assassinado no início de outubro de 2018. Foi visto pela última vez no dia 2 desse mês, no consulado da Arábia Saudita em Istambul (Turquia), onde recebeu os documentos necessários para o seu casamento.

Segundo o jornal norte-americano "Washinghton Post", onde Jamal Khashoggi era colunista, o jornalista saudita, que esteve desaparecido durante duas semanas, terá sido assassinado e desmembrado no interior do consulado – conclusões decorrentes de gravações áudio e de vídeo a que o jornal teve acesso.

As gravações mostram que a equipa de segurança saudita deteve Khashoggi no consulado em 2 de outubro. O jornalista terá depois sido morto e desmembrado.

O homicídio causou uma onda de revolta em todo o mundo e manchou a imagem do príncipe herdeiro da Arábia Saudita, tendo alguns governos ocidentais e a própria CIA apontado Mohammed bin Salman como cabeça do crime.

As autoridades sauditas afirmam, contudo, que o príncipe não teve qualquer papel no assassinato e onze suspeitos sauditas foram julgados em Riade, num processo que decorreu com muito secretismo.

Nesta segunda-feira, o procurador saudita Shalaan al-Shalaan leu o veredicto preliminar, adiantando que a investigação incluiu um conselheiro real, mas que acabou por não ser acusado, tendo sido, por isso, libertado.

Jamal Khashoggi residia nos Estados Unidos e era um forte crítico do regime saudita. Era colaborador do jornal “Washington Post” e tinha-se deslocado ao consulado de Istambul para obter uma certidão, a confirmar que estava divorciado, para se poder casar com a sua noiva turca, Hatice Cengiz.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    01 set, 2020 23:11
    Quando é o reino jihadista da Arábia Saudita a condenar pessoas à morte por fazerem o trabalho sujo deles eu interrogo-me... será que eram mesmo esses os culpados?

Destaques V+