Tempo
|
A+ / A-

Portugal preocupado, mas preparado para um “hard Brexit”

23 dez, 2018 - 11:15 • Lusa

“Estamos preparados para o cenário de não acordo", garante Santos Silva, não deixando de lembrar que uma saída sem acordo do Reino Unido terá sempre "efeitos negativos".

A+ / A-

O ministro dos Negócios Estrangeiros português mostra-se preocupado com o risco de uma saída não negociada do Reino Unido da União Europeia (UE), mas garantiu que Portugal está preparado para esse cenário.

“Estamos preparados para o cenário de não acordo, mas não a 100% porque nunca podemos estar preparados a 100%”, reconheceu, admitindo que um ‘hard brexit’ “trará sempre dificuldades, sempre muitos problemas complexos à economia e à circulação de pessoas”, disse Augusto Santos Silva, em entrevista à Agência Lusa.

“Não havendo acordo, haverá sempre efeitos negativos, mas podemos mitigá-los”, afirmou, salientando que a crise política no Reino Unido está a preocupar todos os quadrantes políticos portugueses.

“Nós estamos muito preocupados, quer o Presidente da República, quer o primeiro-ministro”, e “não me canso de dizer que o 'Brexit' sem acordo terá efeitos muitíssimo negativos para o conjunto da UE”, mas “sobretudo para o Reino Unido”, pelo que “devemos evitar a todo o custo um cenário de saída não negociada”.

“Fomos até ao limite, como outros Estados da União Europeia, para encontrar um texto que satisfizesse todas as reivindicações dos negociadores britânicos, que respeitassem as nossas linhas vermelhas” e “o acordo parece-me muito razoável e muito satisfatório” até porque “é o único possível”, disse Santos Silva, admitindo que “agora a bola está do lado dos britânicos, para dizerem se apoiam ou não” essa proposta.

“O tempo urge, o relógio não para, aproximamo-nos perigosamente do dia 29 de março de 2019, e por isso mesmo há vários meses que seja no quadro nacional, seja no quadro europeu, nos preparamos para os dois cenários possíveis: o haver acordo e não haver acordo”.

No plano multilateral, a “Comissão Europeia fez um plano de contingência” que diz respeito a “questões transversais” a todos os países da UE.

“Depois, há evidentemente preparações que só fazem sentido no plano nacional: uma saída não negociada significa a reposição automática do controlo de fronteiras de mercadorias e pessoas”, explicou Santos Silva

No caso português, Lisboa “tem uma preocupação adicional específica em relação ao fluxo de turismo porque o Reino Unido para Portugal é o primeiro mercado de origem e para muitos outros [países da UE] não é”.

'Fake News' preocupam MNE

Na entrevista à Lusa, Santos Silva abordou também o fenómeno da desinformação, mostrando-se preocupado com a questão das ‘fake news’.

“Estou mesmo preocupado com a manipulação de pessoas e a invenção de mentiras, que também acontece em Portugal, felizmente não numa escala como noutras democracias se tem verificado”, afirmou Santos Silva.

Para o sociólogo, “quem frequenta as redes sociais percebe as tentativas recorrentes que há também em Portugal de lançar mentiras, calúnias e invenções querendo com isso produzir uma agenda política, normalmente anti-europeia, anti-humanista e anti-democrática”.

A solução é simples, disse: “Devemos combater claro, e a melhor maneira de combater é dizer a verdade, informar com verdade e rigor e isenção”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    24 dez, 2018 Viseu 10:31
    Preocupe-se sobretudo com Portugal. Os funcionários públicos tiveram reposição de rendimentos, mas não têm os meios para fazer o seu trabalho. Os mais pobres não têm dinheiro para ir a hospitais ou escolas privadas. E não há dinheiro para consertar barcos e comboios, comprar seringas, medicamentos e exames. António Costa e os comunistas do PCP e do Bloco são os culpados por esta situação. Enganaram os mais pobres e remediados…
  • Anónimo
    23 dez, 2018 22:22
    Se o governo britânico anda a brincar com a vida dos imigrantes portugueses que vivem no Reino Unido, então a retaliação é o mínimo que se exige do governo português. E a escumalha tuga que defende o Brexit devia ser obrigada a emigrar para o Reino Unido.

Destaques V+