Tempo
|
A+ / A-

Suu Kyi. Myanmar podia ter lidado "melhor" com a crise dos rohingya

13 set, 2018 - 10:50

A campanha do exército e das milícias budistas obrigou à fuga de mais de 700 mil rohingyas para o Bangladesh.

A+ / A-

A líder de facto de Myanmar (antiga Birmânia) disse que o país podia ter lidado melhor com a crise dos rohingya, num momento em que enfrenta pressões internacionais sobre atrocidades cometidas sobre aquela minoria muçulmana.

"Há, é claro, maneiras pelas quais, em retrospetiva, a situação poderia ter sido melhor tratada", afirmou Aung San Suu Kyi, no Fórum Económico Mundial da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), que se realiza em Hanói, no Vietname.

A prémio Nobel da Paz é diretamente visada num relatório da ONU, no qual se lamenta que Suu Kyi não tenha usado a sua "autoridade moral" para tentar impedir a campanha do exército e das milícias budistas, que obrigou à fuga de mais de 700 mil rohingyas para o Bangladesh.

A líder de facto de Myanmar disse ainda que os dois repórteres da agência de notícias Reuters, condenados por investigarem o massacre dos rohingya, não foram condenados por serem jornalistas, mas porque violaram a lei.

Os dois foram detidos em dezembro e acusados de terem recebido “importantes documentos secretos” de dois polícias que tinham estado colocados no estado de Rakhine, onde as forças de segurança são acusadas de assassínios em massa de rohingya.

A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, apelou a 10 de setembro para a criação de um organismo internacional independente para reunir provas sobre os crimes mais graves cometidos contra os rohingyas em Myanmar.

"Nada me poderia ter preparado para o sofrimento que vi". Cate Blanchett pede à ONU que não falhe aos rohingya
"Nada me poderia ter preparado para o sofrimento que vi". Cate Blanchett pede à ONU que não falhe aos rohingya
Quem são os rohingya, que fogem aos milhares de Myanmar?
Quem são os rohingya, que fogem aos milhares de Myanmar?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+