Tempo
|
A+ / A-

“Dia 8 de Dezembro é o primeiro dia" da terceira Intifada

08 dez, 2017 - 10:45

Israel reforçou a segurança em Jerusalém e na Cisjordânia, devido à convocação de protestos.

A+ / A-

O Hamas convocou para esta sexta-feira o início de uma nova revolta contra Israel em reacção ao anúncio norte-americano de reconhecer Jerusalém como capital do Estado israelita, decisão também hoje analisada de urgência no Conselho de Segurança da ONU.

“Dia 8 de Dezembro será o primeiro dia de uma Intifada contra o nosso inimigo sionista”, disse, na quinta-feira, o líder do movimento radical palestiniano Hamas, Ismail Haniyeh, num discurso na Faixa de Gaza.

“Só podemos enfrentar a política sionista - apoiada pelos Estados Unidos - lançando uma nova Intifada”, reforçou.

Donald Trump anunciou na quarta-feira que os Estados Unidos reconhecem Jerusalém como capital de Israel e que vão transferir a sua embaixada de Telavive para Jerusalém, contrariando a posição da ONU e dos países europeus, árabes e muçulmanos, assim como a linha diplomática seguida por Washington ao longo de décadas.

Os países com representação diplomática em Israel têm as embaixadas em Telavive, em conformidade com o princípio, consagrado em resoluções das Nações Unidas, de que o estatuto de Jerusalém deve ser definido em negociações entre israelitas e palestinianos.

O Hamas, que controla a Faixa de Gaza desde 2007, reconciliou-se em Outubro passado com a Fatah, movimento secular e moderado ao qual pertence o presidente da Autoridade Nacional Palestiniana (ANP), Mahmud Abbas.

O acordo de reconciliação, que acabou com quase 10 anos de desentendimentos, deu origem ao anúncio de um governo de unidade nacional.

Segurança reforçada

As forças de segurança israelitas foram mobilizadas e reforçadas em Jerusalém e na Cisjordânia, devido à convocação de protestos palestinianos para hoje, dia sagrado muçulmano.

O exército israelita reforçou desde quinta-feira as forças de defesa e de informação na Cisjordânia, com o envio de batalhões, face à previsão de manifestações e, segundo a emissora Kan, as unidades de treino “receberam instruções para estarem preparadas para o caso de ser necessário enviar reforços”.

Na quinta-feira, ocorreram os primeiros confrontos com palestinianos, na Cisjordânia, que se aproximaram dos postos militares israelitas. O exército respondeu com amplo material anti distúrbios, provocando dezenas de feridos.

O Crescente Vermelho indicou que atendeu 108 manifestantes, devido a feridas de balas de borracha, gás lacrimogéneo e quedas em Ramallah, Tulkarem, Belém, Qualquilia, Nablus, Yenin e Faixa de Gaza.

No mesmo dia em que está convocado o início da ‘terceira Intifada”, o Conselho de Segurança da ONU reúne-se de urgência em Nova Iorque para analisar o anúncio de Trump e uma eventual resposta à decisão de Washington.

A reunião de urgência foi convocada por oito dos 15 membros integrantes do Conselho de Segurança da ONU.

Desde o anúncio de Trump foram registados confrontos e manifestações na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, mas também protestos em países como a Tunísia, Jordânia, Turquia e Paquistão.

Trump, Médio Oriente, Jerusalém. A história de um equilíbrio de forças frágil
Trump, Médio Oriente, Jerusalém. A história de um equilíbrio de forças frágil
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JESUS
    08 dez, 2017 WWW.ceifadores.com.br 12:48
    O mundo corre perigo. As nações começam a intervir. Daí sairá, Minha Jerusalém, a fumaça que matará milhões de pessoas. Porque, os países que têm armas químicas, as usarão; uns a favor de Israel, e outros contra Jerusalém. Mas, sozinhos não ficarão, porque tem quem possa dar apoio. Inglaterra, Suíça, França e Estados Unidos procurarão defender tudo isto que vem ocorrendo, mas os países árabes, os maiores produtores de petróleo, farão de tudo para se defender, porque eles precisam de alimentos, e suas terras não são produtivas. Os conflitos entre um povo de Minha Pátria, isto eles não entendem; só querem justiça, mas não seguem o Meu exemplo. Então, serão massacrados. Das leis que Meus Profetas escreveram e depois Meus Apóstolos, prestes está a se cumprir tudo. As nações, muitas irão se envolver nesta guerra, mas defenderei apenas alguns países que procuram dar-Me ouvido. O Meu povo, esses que vêm Me obedecendo, a eles darei tudo que for necessário para que, quando chegar a Minha hora, possa encontrá-los vivos conforme está escrito na Sagrada Escritura. Injustiça, fome, miséria, ódio, e por fim a morte, tudo isto deixará de existir totalmente, pois serei Eu somente que passarei a tomar conta (Apoc. 21,1-4).
  • Mario
    08 dez, 2017 Portugal 12:29
    Uma decisão que nada tem de perigosa mas que somente serve para que estes muçulmanos justifiquem as suas accioes terroristas pois a cidade santa dos muçulmanos e Meca e nunca Jerusalém.....

Destaques V+