Tempo
|
A+ / A-

Bandeiras a meia haste em Bruxelas pelas vítimas dos incêndios em Portugal

17 out, 2017 - 13:05

Porta-voz da Comissão Europeia lembrou as vítimas dos incêndios em Portugal e desejou "que seja a última vez que temos de lamentar" as vítimas dos fogos.

A+ / A-
Bandeiras a meia haste em Bruxelas pelas vítimas dos incêndios em Portugal
Bandeiras a meia haste em Bruxelas pelas vítimas dos incêndios em Portugal

A Comissão Europeia colocou as bandeiras da sua sede a meia haste, em Bruxelas, em memória das vítimas mortais dos fogos florestais em Portugal.

No final da conferência de imprensa diária da Comissão, e já depois de indicar que o presidente Jean-Claude Juncker falou ao telefone, na segunda-feira à noite, com o primeiro-ministro, António Costa, o porta-voz do executivo comunitário apontou que as bandeiras da União Europeia em redor do Berlaymont, edifício-sede da Comissão, “estão hoje a meia haste, para honrar e lembrar as trágicas perdas de vida que resultaram dos violentos incêndios florestais em Portugal”.

“Esperemos que esta seja a última vez que temos que lamentar vítimas” dos fogos, concluiu Margaritis Schinas.

Já em Junho passado, Bruxelas prestara homenagem às vítimas mortais de Pedrógão Grande, cenário que se repete agora, na sequência das centenas de incêndios que deflagraram no domingo.

Foi o pior dia de fogos do ano, segundo as autoridades. Os incêndios provocaram pelo menos 37 mortos, além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo assinou um despacho de calamidade pública, abrangendo todos os distritos a norte do Tejo, para assegurar a mobilização de mais meios, principalmente a disponibilidade dos bombeiros no combate aos incêndios.

Portugal accionou o Mecanismo Europeu de Protecção Civil e o protocolo com Marrocos, relativos à utilização de meios aéreos.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, em Junho, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou 64 mortos e mais de 250 feridos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+