Tempo
|
A+ / A-

Facebook caça notícias falsas. A partir de agora vai haver sanções económicas

31 ago, 2017 - 09:32

Quando forem identificadas muitas notícias falsas lançadas pelo mesmo site será bloqueado o acesso à publicidade. É mais um passo do gigante social para evitar as “fake news”.

A+ / A-

Veja também:


O Facebook anunciou a penalização de sites que espalhem notícias falsas. A identificação desse tipo de notícias é feito com recurso a organizações independentes, especializadas capazes na verificação dos factos veiculados.

De acordo com o comunicado do gigante das redes sociais, a publicação repetida de histórias falsas fará com que o site fique impedido de fazer publicidade ganhar dinheiro com anúncios.

“No último ano, temos tomado várias medidas para reduzir o número de notícias falsas e farsas no Facebook. Actualmente, não permitimos que os anunciantes publiquem ‘links’ a histórias que tenham sido identificadas como falsas por organizações de verificação de factos. Damos agora um passo em frente: se houver sites que, repetidamente, partilharem histórias assinaladas como falsas deixarão de poder anunciar no Facebook”, anunciou a empresa de Mark Zuckerberg.

De acordo com um relatório do Reuters Institute Digital, dedicado ao jornalismo online, dois terços dos utilizadores do Facebook usam a rede para ter acesso a informação.

Depois das eleições norte-americanas, em 2016, que deram a vitória a Donald Trump, a rede social ficou submetida a um maior escrutínio e tem introduzido, desde então, medidas para combater as chamadas “fake news”, que tanta fama alcançaram com o novo inquilino da Casa Branca.

“As falsas notícias são prejudiciais à nossa comunidade. Torna o mundo menos informado e cria desconfiança. No Facebook, estamos a trabalhar para combater o alastramento deste tipo de notícias em três áreas chave: incentivos económicos, criação de novos produtos e ajudar na tomada de decisões informadas”, refere ainda o comunicado assinado pelos gestores de produto Satwik Shukla e Tessa Lyons.

Alto comissário da ONU critica declarações "altamente irresponsáveis" de Trump
Alto comissário da ONU critica declarações "altamente irresponsáveis" de Trump
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • rosinda
    31 ago, 2017 palmela 21:48
    O mundo esta como esta por causa do facebooK! Quem o inventou era que devia ser sansionado!Primeiro criam o monstro depois fazem exigencias!
  • Joaquim
    31 ago, 2017 19:56
    Leia-se, a censura a notícias verdadeiras começou. O Facebook é anti-direita, pública as fakenews mais disparatadas da CNN até serem derrotados em tribunal vai ser um atropelo miserável do direito a livre expressão

Destaques V+