Tempo
|
A+ / A-

Mais mortes na Venezuela em violentos confrontos com a polícia

16 mai, 2017 - 08:00

Um jovem de 18 anos morreu no estado fronteiriço de Tachira. Protestos já provocaram, pelo menos, 45 mortos em todo o país.

A+ / A-

Veja também:


Milhares de opositores ao Presidente venezuelano, Nicolas Maduro concentraram-se, na segunda-feira, nas principais estradas e auto-estradas do país, para um protesto de 12 horas "contra a ditadura" e para exigir eleições antecipadas.

Os protestos deram origem a violentos confrontos e mais mortes, entre as quais Luis Alviarez, de 18 anos, e Diego Hernandez, de 33. Morreram nos confrontos ocorridos no estado de Tachira, a oeste de Caracas, perto da fronteira com a Colômbia.

Vídeos amadores de testemunhas, mostram as forças de segurança a lançar granadas de gás lacrimogéneo e os manifestantes a responderem com pedras e a incendiar um veículo blindado.

Além de mortos e feridos, as manifestações à detenção de mais de 35 pessoas, segundo a organização não-governamental (ONG) venezuelana Foro Penal, cujos advogados prestam assistência legal aos detidos.

No último mês e meio, os protestos na Venezuela já causaram mais de 40 mortos, centenas de feridos e cerca de dois mil detidos.

Os manifestantes exigem, desde Abril, novas eleições e a libertação de presos políticos. Pedem ainda ajuda humanitária para sair da profunda crise económica em que vive o país.

Nicolas Maduro acusa os opositores de estarem a levar a cabo uma tentativa de golpe de Estado.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Galhardo
    19 mai, 2017 Lisboa 12:47
    Sr. Mendes, será que pode explicar de onde recebeu a fonte ou a notícia que o governo venezuelano tinha lançado as forças armadas contra o povo? Até agora, só vimos a polícia a conter as manifestações violentas da oposição (de direita), usando armas destrutivas. Seria capaz de me responder qual dos governos europeus admite manifestações, como aqueles que estão acontecer na Venezuela, onde até crianças são usadas? Existe fome e falta de medicamentos na Venezuela? A sério? De onde foi buscar estes factos insólitos? Da sua estupidez?
  • Miguel Botelho
    18 mai, 2017 Lisboa 22:01
    A oposição assassina pessoas todos os dias. Ontem, mataram inocentes com esferas de chumbo. Há terroristas de direita, conhecidos como «muchachos» que cobram portagem nas estradas que estão bloqueadas. Esta situação está agora a ser vigiada e controlada pelo plano Zamora. Até agora, o governo de Maduro teve bastante tolerância com assassinos que até roubam armas à polícia. O que estou a descrever é a realidade. Portanto, prefiro assim do que a ignorância e a estupidez do lado de pessoas como Mendes.
  • mendes
    18 mai, 2017 braga 11:28
    m botelho se o governo tem o povo do lado dele porque nao aceita eleicoes livres quanto aos mortos serem todos socialistas meu amigo os mortos nao falam e o regime na venezuela nao e regime socialista mas sim um regime comunista os grupos de que falas que estao a ser criados sao militantes do regime com treino militar meu amigo todo o governo que lanca as forcas armadas contra o povo e um governo assassino seja de esquerda ou da direita a fome a falta de medicamentos a miseria em que o pais se encontra e culpa de quem vais dizer que e da oposicao para aqueles que vivemos a revolucao dos cravos sabemos bem como funcionam esses piquetes porque esses piquetes existiram em portugal em 1974 -1975
  • Miguel Botelho
    17 mai, 2017 Lisboa 19:04
    O comentário de Alma mostra bem a falta de esclarecimento e a enorme ignorância em torno da situação política na Venezuela. Para começar, não existe um «regime», mas sim um governo. Depois, o governo não tem interesse em demonstrar que a oposição é violenta. Esse comentário não só é estúpido, como revela falta de sentido. A oposição venezuelana é violenta e suja. Vejam as bombas atiradas à polícia com excremento humano (as «puputov»); ou o assédio a crianças para fazer parte das «guarimbas». A maior parte dos mortos são socialistas venezuelanos. Infelizmente, para burros como «Alma», o povo venezuelano está a sair à rua, contra esta oposição violenta e assassina. Em várias partes do país, comissões e grupos de venezuelanos estão a fazer piquetes contra estes terroristas, convertidos pela imprensa internacional em libertários.
  • Alma
    16 mai, 2017 Almada 09:52
    O regime tem todo o interesse em demonstrar que a oposição é violenta e em consequência nem para a polícia as manifestações são sítios seguros. O Sr. Maduro e os seus já se estão a habituar a viver com esta situação e é pouco provável que alguma coisa mude, porque pior que tudo isso é entregar o poder e ter que responder por todos os crimes cometidos.

Destaques V+