Tempo
|
A+ / A-

Atacante de Estocolmo tentou juntar-se ao Estado Islâmico na Síria

12 abr, 2017 - 16:33

Rakhmat Akilov foi detido na fronteira entre a Turquia e a Síria e deportado para a Suécia, em 2015, avança fonte dos serviços de segurança do Uzbequistão.

A+ / A-
Atentado em Estocolmo. "Como ultrapassamos isto? Juntos."
Atentado em Estocolmo. "Como ultrapassamos isto? Juntos."

O homem suspeito do ataque da semana passada em Estocolmo, na Suécia, tentou viajar para a Síria, em 2015, para se juntar ao grupo terrorista Estado Islâmico.

A notícia foi avançada à agência Reuters por uma fonte dos serviços de segurança do Uzbequistão, de onde o atacante, Rakhmat Akilov, é natural.

De acordo com a mesma fonte, Rakhmat Akilov, de 39 anos, foi detido na fronteira entre a Turquia e a Síria e deportado para a Suécia.

Em Fevereiro deste ano, as autoridades do Uzbequistão tinham colocado o suspeito do ataque em Estocolmo numa lista de extremistas procurados.

Rakhmat Akilov, que foi detido pelas autoridades suecas horas após o ataque, é de etnia tajique e foi influenciado por uma célula do Estado Islâmico depois de emigrar para a Suécia, refere a fonte dos serviços de segurança uzbeques.

O suspeito vive na Suécia, pelo menos, desde 2014 e era, actualmente, alvo de uma ordem de expulsão do país depois de um pedido de asilo ter sido recusado.

O ataque de sexta-feira passada, com um camião, provocou quatro mortos e mais de uma dezena de feridos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jose Carlos Fonseca
    13 abr, 2017 Maia 10:11
    São estes os amigos que nos governam e nos dão segurança. Então o tipo é do Uzbequistão (embora estivesse a viver na Suécia). Radicaliza-se, tenta entrar na Síria e recambiam-no para a Suécia? Não era de o mandar logo para Uzbequistão?
  • Joaquim
    12 abr, 2017 Leiria 18:38
    E mesmo assim, receberam-no de braços abertos. Os meus amigos Suecos que me desculpem, mas foram um bocadito vacões...
  • António Costa
    12 abr, 2017 Cacém 17:57
    E os atacantes do 11 de Setembro também pertenciam ao "Estado Islâmico"? Em quem vão por "as culpas" quando o "Estado Islâmico" mudar de nome? Não acham que a cobardia ou o "politicamente correto" já foi longe demais?

Destaques V+