Tempo
|
A+ / A-

Iraque. Mais de 60 corpos retirados dos escombros de um edifício

26 mar, 2017 - 16:50

Ataque aéreo das forças internacionais atingiu prédio civil em Mossul.

A+ / A-

O exército iraquiano retirou mais de 60 mortos de um edifício destruído na quarta-feira a oeste de Mossul.

Vários testemunhos apontavam para 200 vítimas durante o ataque aéreo conduzido pela coligação internacional liderada pelos Estados Unidos.

A ideia era atingir um edifício controlado pelo autoproclamado Estado Islâmico, mas foi também atingida uma área com civis.

Os combates foram, entretanto, suspensos devido aos receios de mais baixas entre os civis.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • martinhopm
    26 mar, 2017 perto de Évora 19:56
    Também morrem civis nestes ataques para a reconquista de Mossul?! Tratou-se de danos colaterais ou de mais um engano? Ou não fará parte da essência de qualquer guerra, sobretudo em zonas densamente habitadas? Ou terão as bombas aqui sido menos 'inteligentes'?!
  • Ronald
    26 mar, 2017 Trip 19:43
    Como se classificar estes atos de guerra? Matar civis e inocentes! E OzNU JÁ pediu para os USA parar! O petróleo é a questão central. Depois a Europa sofre os problemas dos refugiados e do terrorismo.
  • Ronald
    26 mar, 2017 Trip 19:12
    E já lá vai o tempo do Schwarzhow e Nushmilles! Mas a força do petróleo desrespeitando o ONU não pára a destruição da região.
  • carlos
    26 mar, 2017 leiria 17:48
    Engraçado, quando as vitimas são causadas pelos americanos, não se vê o histerismo dos meios de comunicação quando elas são vitimas dos bombardeamentos russos e sírios.

Destaques V+