Tempo
|
A+ / A-

Prémios Nobel entre os 20 mil professores que assinam petição contra Trump

03 fev, 2017 - 07:35

“A política do Presidente é uma desgraça. É a resposta de uma pessoa preguiçosa a um problema complexo”, diz um dos signatários.

A+ / A-

Mais de 20 mil professores universitários norte-americanos, incluindo 51 vencedores do Nobel, que assinaram uma petição contra o decreto sobre imigração e refugiados de Donald Trump, esperam que a sua iniciativa mude a perspectiva do Presidente dos EUA.

"É importante, talvez mesmo imperativo, que um novo Presidente obtenha reacções dos seus vários constituintes. Há muitas formas de o fazer, enquanto indivíduo ou professor. Uma petição assinada por uma grande audiência de académicos respeitados é uma das grandes avenidas que podem melhorar a resposta de um Presidente", explicou à agência Lusa um dos signatários, David Yoffie.

Trump assinou uma ordem executiva que suspende a chegada ao país de todos os refugiados por um período mínimo de 120 dias - para os refugiados sírios o prazo é indeterminado - e que impede a entrada nos Estados Unidos durante três meses aos cidadãos de sete países de maioria muçulmana: Iraque, Irão, Iémen, Líbia, Somália, Sudão e Síria.

A medida, que inclui imigrantes com residência permanente e estudantes, surgiu no âmbito de um pacote de medidas para proteger o país de "terroristas islâmicos radicais".

David Yoffie, que ensina economia na Universidade de Harvard, diz que decidiu assinar a petição no sábado de manhã, depois de uma aluna com nacionalidade de um dos países em questão lhe ter escrito explicando que tinha de escolher entre visitar a família e não poder regressar aos EUA ou continuar a sua educação.

"A decisão foi rápida e fácil. A política do Presidente Trump é uma desgraça. É a resposta de uma pessoa preguiçosa a um problema complexo. Foi mal concebida, revista de forma desadequada, é discriminatória, contraproducente e fundamentalmente anti-americana", explicou o professor num texto partilhado na página da Universidade de Harvard na Internet.

Até quinta-feira, mais de 20 mil professores universitários tinham assinado a petição, incluindo 51 vencedores do prémio Nobel e 572 membros da Academia de Ciência Engenharia e Artes dos EUA.


Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José
    03 fev, 2017 Lousada 11:26
    Força DT. essa rapaziada poderia, com todo o conhecimento que têm, migrar para os países em questão e ajudar, lá, no próprio local, os naturais desses países. isto é ensiná-los a pescar e não oferecer exigir que os outros lhes ofereçam um peixe..
  • João Marmelo
    03 fev, 2017 Cernache 11:25
    É assim em todo o lado ! Quando alguém começa a pôr freio no focinho dos parasitas, logo aparecem estes BANDOS a atiçarem os cães. Mas 20.000 parasitas representam os milhões de americanos e os milhões que votaram em Trump ?
  • AP
    03 fev, 2017 Portugal 10:37
    Nitidamente e pelos comentários, o problema do mundo é cada vez mais os inteligentes estarem cheios de dúvidas e os ignorantes cheios de certezas...
  • Santos
    03 fev, 2017 Aveiro 09:56
    O prémio Nobel já não é o que era. Trump devia abrir a fronteira para que possam sair os simpatizantes dos países sob vigilância e para lá rumarem para lhes resolverem os problemas.
  • couto machado
    03 fev, 2017 porto 09:33
    pela fotografia, trata-se de gentinha bem produzida e de barriguinha cheia, sem nada fazer. Espero que Trump lhes vá ao pêlo e lhes dê serviço cívico para se entreterem....

Destaques V+