Tempo
|
A+ / A-

Burca vai ser banida dos espaços públicos da Áustria

01 fev, 2017 - 00:11

Governo também está a ponderar proibir os funcionários públicos de exibirem outros símbolos religiosos no local de trabalho.

A+ / A-

O uso do véu islâmico, que cobre integralmente a cara da mulher, vai ser proibido em locais públicos da Áustria, decidiu esta terça-feira o Governo de coligação.

Ao abrigo da nova medida, a burca e o nicabe não poderão ser utilizados em escolas e tribunais, por exemplo.

O Governo austríaco também está a ponderar proibir todos os funcionários públicos de envergarem o véu que cobre a cabeça e de exibirem outros símbolos religiosos no local de trabalho.

As medidas estão a ser encaradas como uma tentativa para travar o crescimento do Partido da Liberdade, de extrema-direita, que quase ganhou as eleições presidenciais de Dezembro passado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fanã
    08 ago, 2018 aveiro 17:24
    Se fosse em Portugal estas Islâmicas já tinham a Cristas a perna !....e com razão !
  • demagogos
    01 fev, 2017 Santarém 16:12
    Acho bem, a medida tomada peca por tardia e graças à extrema-direita alguns vesgos que teimavam em ver sempre torto começam agora a tentar ver um pouco mais a direito sobretudo com receio de perderem o tacho, possivelmente já será tarde demais para alguns e oxalá que sim pois a cultura e os cidadãos europeus estão a ser espezinhados diariamente em nome de uma falsa solidariedade de esquerdalhas e alguns direitistas colaboradores.
  • Alberto
    01 fev, 2017 Coimbra 12:05
    Já lá vai um ano que eu e outros observamos um gajo ou gaja ( ? ) a entrar para dentro de um carro aqui em Coimbra com essa coisa enfiada pela cabeça abaixo a que chamam burca. Há uma coisa que me faz muita confusão: Eu se for a um lado qualquer com a cabeça totalmente tapada, nem que seja com um gorro passa montanhas e me pedirem a identificação, sou identificado sem tirar o gorro ? Claro que não. Se um gajo ou gaja com burca (nunca se sabe quem é que vai dentro da burca) estiver ali a cometer um crime, alguém que observe tem possibilidades de identificar a pessoa ? EU ACHO QUE NÂO. É tempo de se acabar com esta BAGUNÇA e quem quer, fica por cá e quem não quer que vá lá para a sua terra. AQUI, NINGUÉM DEVE ANDAR ESCONDIDO. Quanto ao véu, logo que não tape o rosto, a mim não faz confusão nenhuma.
  • Lemos
    01 fev, 2017 Lagos 11:40
    Olhem só para estas duas no exercício da sua liberdade!! Defendam os mulçumanos minhas lindas, estais a ver como ides ser livres?! Atés podeis escolher o modelo!
  • João
    01 fev, 2017 Lisboa 10:44
    E o uso do lenço e as saias gajos? É um sinal exterior de religião! A andam a exibi-lo no sentido de se afirmarem e imporem a imagem do islão no Ocidente. Porque carga de água tenho que ser ofendido com essa imagem? Só os sentimentos desta gente são legitimos? Só o que é deles conta? Quanto um clube sente-se obrigado a violar o seu embelema (Real Madrid) retirando uma mini cruz para não "ofender" estes retrogrados deveriamos fazer exactamente o mesmo às suas manisfestações religiosas em público. Estou farto do poliíticamente corretcto - para mim muito incorrecto - estou farto de ser sunjugado à vontade de estranhos e parasitas. No meu país, devem mandar os seus donos, os portugueses e não os estrangeiros e, muito menos, uma religião obscurantista e medieval que ataca tudo e tudos de todas as formas..
  • tuga
    01 fev, 2017 lisboa 09:47
    onde está o meu comentário???
  • Lavínia
    01 fev, 2017 Covilhã 09:19
    Estou perfeitamente de acordo. A opção religiosa não tem que ser exibida no local de trabalho, já que é do foro pessoal e íntimo de cada um. Também não vamos trabalhar com a bandeira do clube ao ombro, nem admitimos que no nosso local de trabalho seja hasteada qualquer uma, seja de que clube for. É dentro da mesma linha que num país laico sou contra as capelanias nas Universidades, nas escolas etc., , ou qualquer outro símbolo que privilegie uma religião, em detrimento das outras.
  • Maria Joana
    01 fev, 2017 Lisboa 08:58
    Nos países muçulmanos não se pode ser católico (são perseguidos). Porque raio se pode ser muçulmano nos países católicos??? Sim, temos de dar o exemplo etc....... liberdade de religião etc...............................
  • tuga
    01 fev, 2017 lisboa 08:04
    Acho muito bem, querem vir para a civilização, devem adaptar-se à cultura dos países de acolhimento, em Portugal já se vê dessa estrumeira!!! as minorias devem-se moldar às maiorias e não o contrário como querem os esquerdopatas!!! Esses costumes deles representam um atraso civilizacional de séculos!!!

Destaques V+