Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

​Guterres contra "medidas cegas" de Donald Trump

31 jan, 2017 - 22:48

Secretário-geral das Nações Unidas alerta que proibição de entrada de imigrantes de países muçulmanos pode se "ineficaz" na luta contra o terrorismo.

A+ / A-

O secretário-geral da ONU critica duramente a ordem executiva de Donald Trump que impede a entrada de cidadãos de sete países muçulmanos nos Estados Unidos, afirmando que tais medidas "cegas" arriscam ser "ineficazes" na luta antiterrorista.

Os países "têm o direito, mesmo a obrigação, de controlar as suas fronteiras para impedir a entrada de membros de organizações terroristas", referiu António Guterres, num comunicado divulgado esta terça-feira.

Mas, segundo frisou o secretário-geral das Nações Unidas, as medidas adoptadas "não podem ter como base qualquer forma de discriminação em função da religião, origem étnica ou nacionalidade".

Tal discriminação "desencadeia uma ansiedade e uma raiva generalizadas que podem facilitar a propaganda das organizações terroristas que todos queremos combater", prosseguiu Guterres.

"Medidas cegas, não fundamentadas numa inteligência sólida, tendem a ser ineficazes pois correm o risco de serem ultrapassadas pelos atuais sofisticados movimentos terroristas globais", reforçou o representante.

Na sexta-feira, o Presidente norte-americano, Donald Trump, assinou uma ordem executiva que suspende a chegada ao país de todos os refugiados por um período mínimo de 120 dias - para os refugiados sírios o prazo é indeterminado -- e que impede a entrada nos Estados Unidos durante três meses aos cidadãos de sete países de maioria muçulmana: Iraque, Irão, Iémen, Líbia, Somália, Sudão e Síria.

A ordem executiva surgiu no âmbito de um pacote de medidas para proteger o país de "terroristas islâmicos radicais".

A decisão de Trump desencadeou protestos com milhares de participantes e o caos em vários aeroportos americanos.

O alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, o jordano Zeid bin Ra'ad Zeid al-Hussein, declarou que a medida de Trump era ilegal, classificando-a como "mesquinha".

Na segunda-feira, em Adis Abeba (Etiópia), onde participou na abertura da cimeira da União Africana (UA), António Guterres recordou que os Estados Unidos têm "uma grande tradição" de protecção de refugiados e disse esperar "firmemente" que esta volte a ser uma das prioridades do governo de Donald Trump.

"A protecção dos refugiados deve ser garantida. O acesso dos refugiados a um lugar onde estejam seguros é extremamente importante", disse então o secretário-geral da ONU.

"Os Estados Unidos têm uma grande tradição na protecção de refugiados, espero que esta medida seja apenas temporária", acrescentou na mesma ocasião.

Guterres critica encerramento de fronteiras
Guterres critica encerramento de fronteiras
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    01 fev, 2017 Cacém 11:15
    Acho que toda a gente já percebeu que impedir a entrada de mexicanos impede a realização de atentados por parte de sauditas. Faz tanto sentido como 2 2 = 7. Pessoalmente, ainda não entendi o que é que a Mossad tem contra o México.
  • António Santos
    31 jan, 2017 Porto 23:30
    Este, que foi eleito por um punhado de pessoas, quer opinar na casa dos outros e contra um homem eleito democraticamente e com mandato legal ao contrário dos presidentes da ONU.

Destaques V+