Tempo
|
A+ / A-

Bolívia não tem dúvidas. Acidente da Chapecoense foi “homicídio"

09 dez, 2016 - 23:20

Investigação ainda decorre. O acidente causou a morte a 71 das 77 pessoas que seguiam a bordo, incluindo 19 jogadores da Chapecoense, 20 jornalistas e vários dirigentes do clube.

A+ / A-

O ministro boliviano da Defesa, Reymi Ferreira, acusa a companhia aérea Lamia de “homicídio” no caso do avião da Chapecoense que se despenhou.

“Não foi um acidente. Foi um homicídio. O que aconteceu em Medellín foi um homicídio”, disse.

Reymi Ferreira acrescentou que o piloto do aparelho ignorou os regulamentos. “Se o piloto tivesse cumprido as regras, que diziam para aterrar em Cobija [Bolívia] ou Bogotá [Colômbia], ou tivesse pelo menos declarado uma situação de emergência desde o início, é possível que a tragédia não tivesse acontecido.”

A investigação ao acidente ainda decorre com procuradores da Bolívia, Colômbia e Brasil.

A licença da Lamia foi revogada na Bolívia e o director-geral da empresa, Gustavo Vargas Gamboa, foi detido e acusado de homicídio involuntário.

O acidente causou a morte a 71 das 77 pessoas que seguiam a bordo, incluindo 19 jogadores da Chapecoense, 20 jornalistas e vários dirigentes do clube.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+