Tempo
|
A+ / A-

Sida pode deixar de ser epidemia global em 2030

30 nov, 2016 - 09:38 • Hugo Monteiro com Lusa

Actualmente, a infecção é já considerada uma doença crónica. O Dia Mundial de Luta Contra a Sida assinala-se esta quinta-feira.

A+ / A-

O VIH/sida, actualmente já considerada como uma doença crónica, pode deixar de ser uma epidemia global dentro de pouco mais de uma década. O objectivo, definido pelas Nações Unidas, passa por chegar a 2030 com a epidemia do VIH/sida terminada. Surgirão casos isolados, mas que já não representarão uma ameaça à saúde mundial.

Em véspera do Dia Mundial de Luta Contra a Sida, que se assinala na quinta-feira, António Diniz, antigo coordenador do Programa Nacional para o VIH/sida, explica, à Renascença, que as metas da ONU passam por conseguir que, em 2030, “95% das pessoas infectadas estejam diagnosticadas, 95% das pessoas diagnosticadas estejam em tratamento e que 95% das pessoas em tratamento estejam com a doença controlada”.

“Se conseguirmos isto a nível global, nós podemos dizer que a infecção por VIH deixou de ser uma ameaça à saúde pública e perdeu esse carácter de epidemia a nível global”, sublinha António Diniz.

Para tal, “é preciso diagnosticar o maior número possível de pessoas o mais cedo possível, conseguir que as pessoas tenham ligação aos cuidados de saúde, que permaneçam ligadas aos cuidados de saúde sob tratamento. Um tratamento que tenha a eficácia suficiente para que tenham a doença controlada”.

O antigo coordenador do Programa Nacional para o VIH/Sida destaca, ainda, que os últimos dados disponíveis, referentes a 2014, apontam para que Portugal já tenha alcançado uma das metas definidas pelas Nações Unidas para o ano de 2020. “Portugal pode ter atingido a primeira meta, isto é, 90% das pessoas infectadas já terão sido diagnosticadas. É verdade que esse valor está mesmo no limite, mas poderá já ter sido atingido”, diz.

António Diniz chama a atenção para que este dado não faça diminuir o esforço de diagnóstico precoce da doença que tem sido feito. “Esse esforço tem de ser até aumentado, para que a meta seja consolidada e até ultrapassada”.

[Notícia actualizada às 16h03 com declarações de António Diniz à Renascença]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+