Tempo
|
A+ / A-

Ataque a comboio humanitário faz mais de 30 mortos na Síria. Crime de guerra?

20 set, 2016 - 06:46

A hipótese é levantada pela ONU, que se mostra indignada com o sucedido. Bombardeamento acontece poucas horas depois do fim do cessar-fogo.

A+ / A-
Testemunha descreve ataque a comboio de ajuda humanitária na Síria
Testemunha descreve ataque ao comboio de ajuda humanitária

Veja também:


Pelo menos 30 civis morreram no bombardeamento ocorrido na segunda-feira à noite a um comboio de ajuda humanitária, a oeste da província síria de Alepo, junto à cidade de Orum al-Kubra.

O ataque deu-se quando elementos do Crescente Vermelho sírio estavam a prestar assistência à população. Foram atingidos, pelo menos, 18 camiões que se encontravam a distribuir água e comida e um armazém.

“Este era o armazém do Crescente Vermelho. Lá fora estavam mais de 20 camiões carregados de comida, que ficaram destruídos. Os helicópteros do regime sírio atacaram este local com quatro bombardeamentos”, relata um dos voluntários do Serviço de Defesa Civil da Síria.

É ainda desconhecida a origem dos bombardeamentos, mas as Nações Unidas já reagiram, mostrando indignação e sublinhando que, a provar-se que foi intencional, representará um crime de guerra.

Staffan de Mistura, o enviado especial das Nações Unidas para a Síria, lembra que o comboio humanitário foi o culminar de um longo processo de autorizações e preparativos para assistir milhares de civis isolados há meses – 78 mil pessoas.

Entre os mortos, cujo número concreto é ainda desconhecido, estão 12 voluntários do Crescente Vermelho.

Na segunda-feira, o Exército sírio declarou o fim do cessar-fogo decretado há uma semana pelos Estados Unidos e a Rússia. Washington e Moscovo acusam-se mutuamente pelo fracasso de mais uma tentativa para pôr termo a cinco anos de guerra na Síria.

Os Estados Unidos já condenaram o ataque, fazendo questão de referir que o destino da coluna humanitária era conhecido do regime sírio e da Rússia. O Governo russo ainda não reagiu, mas a agência de notícias russa RIA cita o ministro da Defesa para dizer que 40 rebeldes foram mortos esta terça-feira pelo exército sírio, apoiado pela força aérea russa. E que o ataque ocorreu perto de Alepo, no Norte do país.

O ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Jean-Marc Ayrault, também já condenou o ataque, que, segundo diz, ilustra a urgência do fim das hostilidades na Síria.

A trégua apoiada pelas duas superpotências, Rússia e Estados Unidos, tinha por objectivo colocar fim a cinco anos de um conflito que já matou mais de 300 mil pessoas e obrigou milhões a abandonar as suas casas.

O cessar-fogo resultante do acordo russo-americano nunca tinha sido formalmente aprovado pelos rebeldes.

Fim-de-semana de acusações

No sábado, um ataque aéreo liderado pelos Estados Unidos matou, pelo menos, 80 militares sírios. Aviões russos estavam, na mesma altura, a bombardear o local. Moscovo convocou uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Durante a reunião, a embaixadora norte-americana na ONU, Samantha Power, pediu desculpa pelo erro, mas não poupou os russos, a quem chamou “cínicos” e “hipócritas”.

“Desde 2011, o regime de Bashar al-Assad tem, intencionalmente, atacado alvos civis com regularidade, tem impedido ajuda humanitária a pessoas que passam fome e têm doenças tratáveis, usou armas químicas contra o seu povo e torturou dezenas de milhares de pessoas nas prisões”, afirmou depois em conferência de imprensa.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ivo
    20 set, 2016 Agualva-cacem 09:49
    Quando é que a EU vai levantar-se e opor-se ao ataque e destabilizalação politica orquestrada pelos EUA para controlar aquela região? Só é cego quem não quer ver.
  • Miguel Botelho
    20 set, 2016 Lisboa 09:21
    É estranho que só agora, por entre as linhas, se leia o seguinte: «No sábado, um ataque aéreo liderado pelos Estados Unidos matou, pelo menos, 80 militares sírios.» Não mencionaram que estes militares sírios mortos combatiam mercenários, também chamados de «ISIL» ou «ISIS». Segundo os militares que assistiram a esta carnificina, aqueles que pilotavam os bombardeiros americanos fizeram o ataque intencionalmente. A seguir à matança, bandidos «jihadistas» (mercenários) ocuparam as linhas dos soldados sírios. Estes bandidos são designados por «ISIL» ou «ISIS» pela comunicação social internacional (mais abrangida pelos EUA). Na verdade, os mesmos bandidos são mercenários e criminosos, pagos na sua maioria pela Arábia Saudita que tenta a todo o custo destituir o presidente Assad. Ao lado da Arábia Saudita, está Israel (apoio logístico e militar a sul da Síria, aos bandidos do Al-Nusra); e os Estados Unidos da América (apoio militar e propaganda nos canais de informação). É estranho como a embaixadora americana da ONU, Samantha Powers, acuse a Rússia de hipocrisia e cinismo. Se os Estados Unidos da América acabam de ajudar os mercenários no ataque que fizeram contra os soldados sírios, sempre afinal quem é o hipócrita e o cínico? A guerra na Síria está a destruir a credibilidade americana. Em breve, os Estados Unidos da América serão rejeitados, tal como a Alemanha de Hitler foi rejeitada.
  • Jose
    20 set, 2016 Portugal 09:18
    Quando os eua out seus aliados atacam hospitals, casamentos e matam centenas de pessoas , os media ocidentais nos quais se inclui a RRenascença ficam calados . Messes casks já neo exists crime de guerra.Hipocrisia de uma radio q we did catolica .
  • AM
    20 set, 2016 08:17
    Pode ter acontecido muita coisa. Negligencia, atraso nas horas, impossibilidade de sair do cenário de guerra a horas, e se sabiam que o comboio ainda não tinha saido do recinto de guerra, foi caixão á cova, deliberadamente, ou então é muito estranho, todos sabendo dos camioes, e não os conhecem...
  • jose
    20 set, 2016 lousada 08:04
    Os Russos e os americanos guerreia pelo petróleo a europa recebe os refugiados. A europa da tolerância e humanismo só vai acordar quando estiver esganada.
  • Antonio
    20 set, 2016 Braga 08:01
    Todos sabemos que a intenção da Rússia é a proteção do regime Sírio...

Destaques V+