Tempo
|
A+ / A-

Rebeldes devem adoptar cessar-fogo na Síria

12 set, 2016 - 15:43

O acordo alcançado entre Moscovo e Washington prevê o fim dos conflitos a partir do dia 13. Cada vez mais grupos no terreno estão a dar luz verde ao cessar-fogo.

A+ / A-

Os grupos rebeldes que combatem contra o regime de Bashar al-Assad estão dispostos a cumprir o cessar-fogo anunciado recentemente pelos Estados Unidos e pela Rússia, e que deve entrar em vigor a partir do pôr-do-sol na Síria.

Em declarações à agência Reuters, uma fonte ligada aos grupos da oposição diz que os grupos estão próximos de emitir um comunicado conjunto a dar o acordo ao cessar-fogo, mas que este não estará isento de críticas.

“Nas próximas horas haverá uma declaração em que o afirmamos, mas haverá também muitas reservas e observações sobre o pacote completo. Mas no final de contas, concordamos”.

A complexidade da guerra civil na Síria torna qualquer negociação de paz ou de cessar-fogo extremamente complexa. Neste conflito não existem apenas forças leias ao regime e rebeldes. Há grupos rebeldes que combatem entre si, como é o caso do Estado Islâmico e quase todas as outras milícias; há grupos que são contra o regime, mas por via das circunstâncias acabam por combater mais os grupos extremistas islâmicos, como é o caso das milícias curdas, apoiadas por grupos armados cristãos e há grupos, como por exemplo os apoiados pela Turquia, que entraram na Síria para combater o regime mas deram por si a combater as forças curdas, por imposição de Ancara.

Moscovo tem apoiado inequivocamente o regime e os EUA têm dado algum apoio a grupos rebeldes, procurando, nem sempre com sucesso, que esse apoio não acabe por fortalecer os grupos extremistas islâmicos. Contudo, os dois países conseguiram alcançar um acordo para cessar-fogo que poderá trazer um período de tréguas para o país que há mais de cinco anos é devastado pela guerra.

A horas da entrada em vigor do cessar-fogo, porém, a Rússia afirmou que continuará a bombardear posições do Estado Islâmico mas também da Frente al-Nusra, entretanto rebaptizada Jabhat Fateh al-Sham, depois de se ter desfiliado oficialmente da Al-Qaeda. Esta posição de Moscovo revela a complicação de um cessar-fogo, uma vez que a al-Nusra faz parte de uma coligação de vários outros grupos rebeldes, incluindo alguns mais seculares, nomeadamente na cidade de Alepo.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • touaki
    12 set, 2016 Portugal 17:41
    Não parece que os rebeldes cumpram ou queiram cumprir. Muitas declarações em sentido contrário. Na hora de início desencadearam nova ofensiva no sul. Estejam mais atentos ao que se passa....

Destaques V+