Tempo
|
A+ / A-

Brexit: Um erro histórico ou a “fuga da prisão”?

23 jun, 2016 - 06:11 • Filipe d'Avillez

Várias são as figuras públicas, no Reino Unido e no resto do mundo, que opinaram sobre o referendo no Reino Unido. A esmagadora maioria dos líderes estrangeiros opõe-se ao Brexit mas os britânicos estão divididos sobre o assunto.

A+ / A-

Os britânicos vão hoje às urnas para decidir se o Reino Unido fica na União Europeia ou sai. As sondagens são incertas e as figuras públicas e políticas dividem-se entre os que defendem e os que se opõem ao Brexit.

Ao longo desta campanha foram muitas as citações de personalidades importantes, quer no Reino Unido quer do estrangeiro, sobre este assunto. Aqui estão algumas das mais marcantes:

No meu gabinete sento-me a dois metros da sala onde em Maio Winston Churchill decidiu lutar contra Hitler. Foi talvez uma das melhores e maiores decisões tomadas por alguém no nosso país. Ele não queria estar sozinho. Ele queria lutar ao lado dos franceses, dos polacos e dos outros. Mas não desistiu. Não desistiu da democracia, não desistiu da liberdade. Hoje nós queremos lutar por essas coisas. Mas não se pode ganhar se não tivermos sequer na sala.

David Cameron, primeiro-ministro

Tenho feito campanha pela permanência na União Europeia porque penso que temos de trabalhar com aqueles que na Europa pensam como nós e que querem lidar com os paraísos fiscais e com a fuga aos impostos, que querem um continente que protege o seu ambiente e que encoraja os outros a fazê-lo também, um continente solidário com outros povos, em vez de os ver a todos como inimigos.

Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista

Infelizmente a ignorância de Trump está a ser revelada por militantes na Grã-Bretanha. Algumas das pessoas que querem que viremos as costas à Europa estão a alimentar o medo e o terror, tentando virar as comunidades uma contra a outra.

Tim Farron, líder dos Liberais-Democratas

Deixar a União Europeia seria voltar a assumir o controlo. Que aqueles que elegemos como deputados é que fazem as nossas leis, em vez de um grupo de velhotes não eleitos em Bruxelas que a maioria das pessoas não conhecem e que não podemos remover democraticamente. Deixar a União Europeia revitalizaria a nossa democracia e significaria que as grandes decisões seriam feitas por nós e não para nós. Creio que somos suficientemente grandes e bons para governarmos o nosso próprio país.

Nigel Farage, líder do UKIP

É como se o guarda tivesse deixado a porta da prisão aberta e conseguimos ver o sol lá fora. Agora toda a gente está a discutir sobre os terrores do mundo lá fora, mas na verdade seria fantástico. Seria retirar um enorme peso de cima das empresas britânicas.

Boris Johnson, conservador e ex-presidente da Câmara de Londres

Há uma longa tradição no Cristianismo e no Catolicismo em particular, de acreditar em manter as coisas unidas. Há uma forte tradição na visão católica da vida de que seguir o caminho da divisão leva quase inevitavelmente a mais divisão. Por isso o instinto católico é de procurar o todo – é isso que a palavra católico significa. E por isso a posição católica para com esforços como a União Europeia tem sido em larga medida de apoio.

Arcebispo Vincent Nichols, arcebispo de Westminster e presidente da Conferência Episcopal de Inglaterra e País de Gales

The principles Jesus taught and which have so shaped us also include love for the poor, the alien and the stranger. The EU came together in a Europe broken beyond description by war, and has shaped a continent which until recently has contributed to more human flourishing, and more social care, than at any time in European history.

Os princípios que Jesus ensinou e que nos deram forma incluem o amor pelos pobres, os estrangeiros e os estranhos. A União Europeia formou-se numa Europa irreconhecivelmente destruída pela guerra, e ajudou a dar forma a um continente que até agora tem contribuído mais para a prosperidade e bem-estar social do que em qualquer outro período da história da Europa (…) Da minha parte, com base no que disse e no que vivi, votarei para permanecer.

Justin Welby, Arcebispo de Cantuária

Utilizando a analogia do casamento e divórcio, chega-se a uma altura num casamento em que não existe outra opção se não pôr-lhe fim. Mas, como é evidente, a nossa relação com a União Europeia não é um casamento, é um tratado que pode ser substituído por um tratado melhor. Não devemos estar com cerimónias sobre unidade, paz e harmonia. Muitos países contribuem para o entendimento fraterno e para a paz internacional sem abdicarem dos seus controlos democráticos. No que diz respeito às relações com a União Europeia, muitos de nós sentimos que as actuais estruturas e arranjos estão a causar precisamente a divisão, os conflitos e a infelicidade que foram criadas para tentar curar.

Lorde Carey, Arcebispo emérito de Cantuária

Vivemos num mundo vibrante e interligado onde somos fortes enquanto povo unido. Pelos nossos filhos e os seus filhos devemos enfrentar os problemas do mundo juntos e não sozinhos. Por estas razões, voto para permanecer.

David Beckham, ex-futebolista

Obviamente cabe aos cidadãos do Reino Unido saber como querem votar no referendo. Já disse várias vezes que, pessoalmente, gostaria e desejo que o Reino Unido se mantenha como parte da União Europeia.

Ângela Merkel, Chanceler da Alemanha

Toda a gente dirá que é um clube de perdedores. Precisamos de um país que faça contrapeso com a França. Se o Brexit vencer teremos um problema sério – será terrível.

Funcionário da UE, citado sob condição de anonimato pela Reuters

Estamos mais unidos agora do que nunca e espero que os britânicos se recordem disso quando chegar o dia.

François Hollande, primeiro-ministro de França

A falta do nosso mais velho aliado, a segunda mais poderosa economia da Europa, poderia ter graves consequências. Para além de diminuir a alma europeia, seria também uma tentação para os extremismos que espreitam um pouco por todo o lado, e que não hesitarão em usá-lo como semente de novas divisões e alimento de nacionalismos radicais.

Marcelo Rebelo de Sousa, presidente da República

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • joao
    27 jun, 2016 Lisboa 10:26
    Quando temos um parceiro que não se compromete a 100% , demonstra que o empenho não é total e a qualquer momento pode dar o que deu. Não é uma parceria séria e democrática. Não será o único parceiro que não joga limpo, mas ao menos foi um que sempre o assumiu. Será um erro histórico e terá repercussões...a não ser que sirva para reorientar a UE pondo mais social e menos proveito próprio. Para sermos capacho da Europa não precisamos deles.
  • oraaíestá!
    23 jun, 2016 dequalquerparte 16:55
    Vou tentar ser suave, ou senão não publiquem o comentário. É que fiz dois, mas até agora nada, depois de passadas umas horas. Eu concordo plenamente com Misabel, mas o problema se a permanência ganhar, pois é tudo porcausa do medo que muita gente vota pela permanência, para além disso o 1º ministro aconselha as pessoas a votar na permanência, quando deveria deixar as pessoas decidir. Portanto isto passa a ser patetico, embora gostasse muito que a Inglaterra provasse que poderia sobreviver sem esta uião europeia que não tem nada de união. Acho que o medo vai fazer muita gente votar pela permanência, porque acredito que muita gente não se sente satisfeita com esta união europeia governada por velhos caquéticos e de mentes retrógadas...
  • Misabel
    23 jun, 2016 Almada 13:03
    Erro histórico para mim é mesmo esta União Europeia que de União não tem mesmo nada. São apenas os "poderosos" a aproveitarem-se dos mais "fracos", o que é lamentável e uma vergonha. Quanto à prisão, acho que o melhor era mesmo todos se libertarmos dela
  • Pestana
    23 jun, 2016 Lisboa 12:10
    Este referendo é o acontecimento mais patético de 2016.
  • Pois é!
    23 jun, 2016 vistamar 11:15
    Irra, com imenso tempo para publicar comentários. Isto faz perder o interesse a comentar
  • Orabem!
    23 jun, 2016 dequalquerlado 10:48
    Oxalá o povo seja inteligente para saber que o melhor é estar fora desta união europeia, que de união não tem nada. É governada por velhos agarrados ao poder ditatorial, que já nada dão de bom para a valorização das democracias, estabilidade do país e para a dignidade e entidade de um povo e uma nação...Quem a poia esta u.Europeia é quem está se servindo dela para encher mais os bolsos, mas quanto ao povo este que se dane....Em Portugal, muitos encheram a mula à custa dela, mas só alguns, porque a maioria só o que teve foi a perder....Basta vermos à nossa volta a vergonha deste país, com pessoas sem dinheiro para nada, e estes palhaços, velhos caqueiros, só a reprimir-nos, com tendencia sempre para os pobres trabalhadores e reformados, depois por outro lado vemos a corrupção, os bancos, desigualdades e pessoas na extrema pobreza. Será que alguém de perfeito Juízo ainda acredita nesta união europeia? Só se for aqueles que mamam à custa dela...
  • Alexandra Almeida
    23 jun, 2016 Reino Unido 10:11
    Ao concretizar-se o Brexit como tanta gente deseja quero ver se daqui a uns meses vou continuar a dizer "Parabens, Reino Unido foi o unico país que conseguiu desentegrar-se da teia de Bruxelas"...blablabla Primeiramente quem não esta muito inteirado sobre o assunto esta a anos-luz de entender o que se esta a passar...porquê que o Mr Cameron organizou este referendo? Para se descartar dos resultados que o Brexit vai ter...como em Portugal, quem fez as escolhas foram os que votaram a favor, nao quem deu a ideia! Objectivo disto tudo: - dar cabo dos 27 países que permanecerao na uniao europeia (em vez de pedirem ajuda a Bruxelas vao pedir ao Reino Unido) - expulsar os parasitas dos emigrantes oriundos da uniao europeia que so veem ganhar ou retirar dinheiro ingles para mandar para os seus países...comprando assim bastante euro com pouca libra - obrigar os ingleses a trabalhar porque sem os emigrantes nao havera mao-de-obra nem verbas para pagar os beneficios nem justificaçao para estarem em casa - países como Portugal vera-se num estado caotico aquando do regresso dos emigrantes quem veem ainda com um curriculum vitae mais qualificado e com mais sucesso na procura de emprego porque tem uma experiencia profissional mais requintada - a moeda euro vai desvalorizar - com a falta de dinheiro nao ha transacoes economicas,logo nao ha exportaçoes - o Reino Unido como é um dos países mais importantes na UE com o Brexit vai ser autonoma e livrar-se da divida externa e os 27 vao pagar
  • Alexandra Almeida
    23 jun, 2016 Reino Unido 09:38
    Ao concretizar-se o Brexit como tamta gente deseja quero ver se daqui a uns meses vou continuar a dizer "Parabens, Reino Unido foi o unico país que conseguiu desentegrar-se da teia de Bruxelas"...blablabla Primeiramente quem não esta muito inteirado sobre o assunto esta a anos-luz de entender o que se esta a passar...porquê que o Mr Cameron organizou este referendo? Para se descartar dos resultados que o Brexit vai ter...como em Portugal, quem fez as escolhas foram os que votaram a favor, nao quem deu a ideia! Objectivo disto tudo: - dar cabo dos 27 países que permanecerao na uniao europeia (em vez de pedirem ajuda a Bruxelas vao pedir ao Reino Unido) - expulsar os parasitas dos emigrantes oriundos da uniao europeia que so veem ganhar ou retirar dinheiro ingles para mandar para os seus países...comprando assim bastante euro com pouca libra - obrigar os ingleses a trabalhar porque sem os emigrantes nao havera mao-de-obra nem verbas para pagar os beneficios nem justificaçao para estarem em casa - países como Portugal vera-se num estado caotico aquando do regresso dos emigrantes quem veem ainda com um curriculum vitae mais qualificado e com mais sucesso na procura de emprego porque tem uma experiencia profissional mais requintada - a moeda euro vai desvalorizar - com a falta de dinheiro nao ha transacoes economicas,logo nao ha exportaçoes - o Reino Unido como é um dos países mais importantes na UE com o Brexit vai ser autonoma e livrar-se da divida externa e os 27 vao pagar
  • iFernando
    23 jun, 2016 Porto 08:42
    De um bom mercado livre a União Europeia evoluiu depressa demais....para uma zona cheia de directivas comunitárias....
  • Zé Povinho
    23 jun, 2016 Lisboa 08:28
    Esta europa cheia de interesses instalados, emana injustiças por todo o lado. O lindo projeto europeu, já há muito que se tornou num pesadelo para Portugal. Temos potencial e não nos deixam crescer, pois a Alemanha, nunca quererá deixar de ser líder. Desta forma, estaremos permanentemente, asfixiados ! A europa, precisará sempre do Reino Unido, pois é a segunda maior economia da europa, é a maior superpotência militar da europa, é da Nato e portanto, mexerá na economia inicialmente, mas regressará a ser independente e como superpotência. Não é o fim do mundo, se o Brexit acontecer, pois as trocas comerciais com a europa continuarão a acontecer! A maior economia mundial, tem fronteiras, são os EUA. A segunda maior economia mundial, tem fronteiras, a China. Lamentavelmente, Portugal, mesmo com as fronteiras abertas, nada de bom acontece: continuamos falidos, dependentes e com leis vindas de Bruxelas, no sentido dos políticos por cá, continuarem a dar tudo aos outros, ao desbarato e em benefício de elites económico-financeiras, porque o povo Portugues, esse é para se manter pobre e enfraquecido, para assim andar de mão esticada a pedir ajuda e a submeter-se de forma submissa aos desejos dos políticos estrangeiros, que não sendo e nem tendo simpatia por Portugal, nunca nos irão tratar com "carinho"! Viva o Brexit e viva o Porexit !!!

Destaques V+