Tempo
|
A+ / A-

E se os republicanos votarem Clinton por não gostarem de Trump?

26 abr, 2016 - 21:00 • José Pedro Frazão

As vitórias de Donald Trump e Hillary Clinton em Nova Iorque confirmaram o favoritismo de ambos os candidatos nas respectivas corridas à nomeação republicana e democrata para uma corrida à Casa Branca. A opinião é dos comentadores Pedro Santana Lopes e António Vitorino, expressa no último programa “Fora da Caixa”.

A+ / A-

Veja também:


O antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes dá Hillary Clinton mais próxima da nomeação democrata do que Donald Trump no partido rival. Os republicanos estão numa intensa batalha interna na qual o alvo principal é o candidato que já recolheu mais delegados à convenção do partido.

"Se ele embala, não vai ser fácil [travá-lo]. Não estou ver quem é que pode sair dali. Ted Cruz? John Kasich, que se atrasou? Não estou a ver quem é que dali saia com força para ser alternativa ao Trump”, afirma Pedro Santana Lopes, que não vê grandes diferenças entre o posicionamento político de Cruz e de Trump. “Cruz diz menos asneiras mas ideologicamente é muito próximo de Trump”, argumenta o comentador social-democrata.

Já António Vitorino considera muito difícil que Trump seja travado no partido republicano. “A não ser através de um golpe de secretaria que não impedirá Trump de concorrer”, antecipa o antigo comissário europeu.

“Os meus amigos americanos fazem-me lembrar aqueles treinadores de futebol que quando perdem num domingo dizem que na próxima jornada eles vão dar a volta. Estou à espera que os republicanos dêem a volta àquilo que parece inevitável – a designação de Trump – há várias jornadas. E com esta vitória em Nova Iorque, não me venham dizer que é a América profunda, rural e retrógrada que entronizou Donald Trump”, sustenta Vitorino.

Hillary, favorita e cansada

Do lado democrata, Hillary Clinton ganhou uma margem mais confortável sobre Bernie Sanders, alguém que até parece mais fresco, assinala Santana Lopes.

"Sempre simpatizei com a candidatura de Hillary. Mas ao vê-la ao lado [da filha] Chelsea, agora à espera de bebé, e o marido, acho que aquele retrato já tem muitos anos. Curiosamente Sanders, sendo já avôzinho, tem ali uma frescura engraçada que Hillary manifestamente não tem”, sustenta Santana.

O antigo primeiro-ministro lembra que Hillary Clinton apoia-se no lado mais tradicional do partido democrata, o que pode não assegurar uma vitória num dos grandes estados ainda por conquistar nas primárias.

"A Califórnia é um estado muito oscilante, entre um conservadorismo mais ou menos iluminado e um progressismo mais ou menos surpreendente. Não excluo de todo que Sanders possa fazer uma surpresa na Califórnia, por muito inverosímil que isso pareça”, afirma Santana Lopes.

O namoro a Sanders e os republicanos que votam Clinton

Para António Vitorino, os democratas vão ter que resolver a transferência de votos nacionais do eleitorado de Sanders para o de Clinton.

“Todos os comentadores dizem que que Clinton, uma vez conquistada Nova Iorque, terá que começar a fazer uma inflexão no seu discurso para tentar aproximar-se de alguns dos temas do próprio Sanders, para começar a criar caldo de cultura para que essa transferência de votos se verifique nas eleições nacionais. Por isso talvez Sanders também tenha subido o tom dos discursos de crítica a Hillary Clinton, sublinhando a parte dos financiamentos de Clinton que vêm de Wall Street”, complementa o antigo ministro do PS.

A questão remete para um possível embate entre Clinton e Trump para a Casa Branca nas presidenciais de Novembro. Santana Lopes anota um certo cansaço de Hillary face à energia de Trump. Já Vitorino admite que uma parte importante do eleitorado republicano poderá repudiar Trump mesmo ao ponto de votar Hillary Clinton.

"Isso não é inédito nos EUA. Todos nos lembramos dos chamados democratas reaganistas, uma parte importante do eleitorado democrata que votou Reagan nos anos 80. Também pode haver aqui uma repulsa em relação a Trump que leve os sectores mais moderados do Partido Republicano a votar Clinton”, alvitra António Vitorino.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Osiris Roriz
    19 mai, 2016 Costa de Caparica 02:39
    TRUMP representa o: I WANT YOU FOR THE USA ARMY, e HILARY CLINTON representa o: MAKE LOVE, NOT WAR. Será uma bela batalha !!!

Destaques V+