Tempo
|
A+ / A-

Luaty Beirão pede em tribunal que Eduardo dos Santos deixe o poder

01 dez, 2015 - 17:14

Activista repete que Angola é uma "pseudodemocracia" e confirma que o Presidente é o "ditador" várias vezes referido nos livros e escutas apresentadas pela acusação.

A+ / A-

O rapper e activista Luaty Beirão, um dos 17 arguidos que estão a ser julgados em Luanda acusados de prepararem uma rebelião, reafirmou que Angola é uma "pseudodemocracia" e voltou a apelar à saída do Presidente.

Aquele activista foi o sétimo dos réus a ser ouvido em julgamento, em 12 sessões já realizadas na 14ª Secção do Tribunal Provincial de Luanda, em Benfica, com várias perguntas colocadas pelo juiz presidente Januário José Domingos, prosseguindo a sua audição durante o dia de quarta-feira.

Perante o tribunal, Luaty Beirão negou hoje que as reuniões que o grupo de activistas realizava desde maio até à altura da detenção, em Junho, se destinassem a promover acções violentas para a destituição do Presidente, sendo antes uma discussão "meramente académica" em torno de um livro e recusando ter qualquer agenda política pessoal neste caso.

Ainda assim, e criticando a "pseudodemocracia" que afirmou ser Angola, Luaty Beirão voltou a defender, a título pessoal e tal como o faz publicamente em vários protestos desde 2011, a demissão do Presidente José Eduardo dos Santos, que confirmou ser o "ditador" várias vezes referido nos livros e escutas apresentadas pela acusação.

"Já deu o suficiente à nação", apontou o músico e activista luso-angolano, sugerindo a sua aposentação, tendo em conta os 36 anos que leva nas funções de Presidente de Angola.

Este processo envolve 17 pessoas, incluindo duas jovens em liberdade provisória, todas acusadas, entre outros crimes menores, da co-autoria material de um crime de actos preparatórios para uma rebelião e para um atentado contra o Presidente de Angola, no âmbito - segundo a acusação - de um curso de formação para activistas, que decorria em Luanda desde Maio.

O julgamento decorre sem a presença de jornalistas na sala de audiências, acesso que só foi permitido no primeiro dia, a 16 de Novembro, e novamente na conclusão, nas alegações finais e leitura da decisão pelo tribunal.

Em alternativa, foi montada nos últimos dias um outro espaço dentro do edifício do tribunal, no qual os jornalistas podem assistir ao que se passa na sala de audiências através de uma televisão, mas sem se fazerem acompanhar de qualquer equipamento electrónico.

Em protesto contra o que afirmava ser o excesso de prisão preventiva, chegou a promover entre Setembro e Outubro uma greve de fome de 36 dias, que obrigou à sua transferência para uma clínica privada de Luanda.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • LD
    01 dez, 2015 Aveiro 20:35
    Luaty, o Eduardo dos Santos bem pode deixar a cadeira do poder mas, o poder nunca o deixará, tu até pareces um rapaz esperto, vê só quem são os donos das grandes empresas de Angola, sabes o que vais encontrar, o Eduardo e a sua prol no comando dessas empresas assim como os senhores da guerra que foi uma maneira deles nunca se virarem contra o Eduardo....se o obrigarem a restituir os milhares de milhões que desviou do povo assim como toda a fortuna da filha e retirar os senhores da guerra das empresas, ai sim, tiras o Eduardo do poder, até lá, venha quem vier para a governação que o verdadeiro poder continua na mão do Eduardo e seus amigos....
  • Manuel
    01 dez, 2015 lisboa 17:30
    O dos Santos e a sua camarilha que lutaram pela libertação de Angola, agora passaram eles a vestir a pele dos fascistas e do ditador SALAZAR.

Destaques V+