Tempo
|
A+ / A-

Nobel da Economia diz que "Portugal é uma espécie de milagre económico"

21 nov, 2023 - 08:27 • Olímpia Mairos

Em entrevista ao Jornal de Negócios, Paul Krugman admite não perceber como Portugal se saiu tão bem, embora esteja convencido de que tanto o turismo como as exportações podem ter tido um importante papel.

A+ / A-

O Nobel da Economia Paul Krugman considera que Portugal podia ser um caso de estudo, uma vez que ninguém percebeu muito bem o que aconteceu à economia portuguesa e o que explica o crescimento económico dos últimos anos.

"Portugal é uma espécie de milagre económico", diz Krugman numa entrevista ao Jornal de Negócios.

Paul Krugman admite não perceber como Portugal se saiu tão bem, embora esteja convencido de que tanto o turismo como as exportações podem ter tido um importante papel.

Lembrando que, ao contrário do que aconteceu em Espanha, a recuperação económica em Portugal foi feita sem desemprego elevado, desvalorização interna e queda dos custos, Krugman conclui que o caso português pode ser apontado como um caso de estudo.

O Prémio Nobel da Economia em 2008 deixa também um alerta para riscos na Europa, relacionados com a dívida de Itália. Se a Europa vai ter problemas, se vai haver uma recessão europeia, Portugal pode vir a sofrer com isso porque “é demasiado pequeno e está demasiado ligado”.

Abordando as elevadas taxas de juro, Krugman nota que “Portugal não está livre” do problema, mas que “pode ser algo que consiga ultrapassar”, uma vez que tem estado a crescer bem economicamente.

No plano da inflação, Paulo Krugman admite os erros de análise dos economistas e nota que a inflação acabou por ser transitória, ainda que demorando mais do que o esperado. No que diz respeito aos bancos centrais, o Nobel da Economia entende que têm “poucos instrumentos” além do aperto monetário que implementaram.

Segundo o economista norte-americano, a Europa teve azar por enfrentar um choque energético com a guerra na Ucrânia e isso ajuda a explicar a maior demora a sentir os efeitos da política monetária.

Paul Krugman acredita que a UE chegará ao mesmo ponto dos EUA, mas admite que a recessão é mais provável no Velho Continente, já que a economia está “mais fraca”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    22 nov, 2023 Ílhavo 05:56
    You must be joking, Mike! [or suffer from little numeracy.]
  • Mike
    21 nov, 2023 Lisboa 16:57
    There was no miracle, it’s just golden visa program and new residents with money, energy, experience and education. But now, with leftists pushing end of program and end up of NHR tax regime you will see this “miracle” disappear
  • AB
    21 nov, 2023 Lisboa 12:37
    ...e não está toda a gente feliz porque...
  • José J C Cruz Pinto
    21 nov, 2023 Ílhavo 08:51
    Na opinião dos sabichões idiotas da nossa praça, Paul Krugman é que é um ignorante. [A sua douta opinião (deles) deve ser que o Nobel devia se-lhe retirado, assim como talvez também a Amartya Sen e Joseph Stiglitz (e outros), para ser entregue adivinhem lá a quem].

Destaques V+