Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

​Reface. A “auto-expressão digital” made in Ucrânia

04 nov, 2022 - 07:31 • Daniela Espírito Santo

A Renascença conversou com o CEO da famosa aplicação de "deepfake", que veio à Web Summit explicar como será o futuro do metaverso.

A+ / A-

Foi uma das apps da pandemia. Em 2020, o Reface fintou os receios com a privacidade e proteção de dados e colocou meio mundo a brincar com “deepfakes”, tornando esta tecnologia numa experiência divertida e acessível a todos.

No verão do ano que dificilmente esqueceremos, muitos foram os vídeos e imagens que surgiram na Internet onde as caras de pessoas comuns tomam o lugar das de super heróis e celebridades. As imagens eram manipuladas de forma tão realista que surpreenderam, obrigando-nos a olhar duas vezes.

O CEO e co-criador da Reface, Dima Shvets, passou pela Web Summit esta quinta-feira e esteve à conversa com a Renascença. Confessou que o sucesso da app o apanhou de surpresa.

“Aconteceu. Uns rapazes sonharam que podiam mudar a forma como as pessoas comunicaram e aconteceu. Ninguém acreditava nisso quando criamos a aplicação, mas tornou-se numa coisa com significado para as pessoas, que lhes dava felicidade”, diz.

Shvets esteve presente na cimeira para falar sobre o papel que esta startup ucraniana pode ter no futuro do metaverso, tornando possível a “auto-expressão digital”. No palco Growth Summit, apresentou o “Metahead” que, no futuro, servirá para criar “representações faciais em 3D” hiperrealistas apenas com uma fotografia.

Esta aposta surge porque Dima acredita que o utilizador comum das redes sociais ou dos videojogos não vai aderir facilmente a metaversos complexos onde não se sinta representado.

A solução pode mesmo passar pelo hiper realismo. “As pessoas vão querer ter o seu reflexo, uma representação sua no digital… e vão querer que essa representação seja bastante realista”, vaticina.

No fundo, defende o ucraniano, os utilizadores comuns só vão aderir a “modernices” se se sentirem representados, mas com “superpoderes”. “Quero que a minha identidade digital seja ainda melhor que a minha real. Só assim é que as pessoas se vão mudar para o metaverso”, reforça.

Para chegarmos a esse futuro, no entanto, há que resolver algumas das maiores dificuldades que impedem esta nova realidade. O "uncanny valley" - vale da estranheza, em português - ainda não foi transposto: os seres humanos ainda sentem repulsa por representações robóticas de outros seres humanos e de si mesmos… e esse fenómeno ainda não tem solução à vista. O hiper realismo que Dima promete é um em que o utilizador “pode realmente se associar” ao seu avatar.

Para tal, o controlo tem de estar nos utilizadores e estes nossos “gémeos” virtuais precisam de estar disponíveis em diferentes plataformas. “O hiper realismo é fundamental. Também precisamos de ter o controlo e interoperabilidade - serão essas as chaves para acontecer uma mudança do público em geral da web para a web3 e para as experiências no metaverso”.

Usar o metaverso para "regressar" à Ucrânia

O metaverso como extensão positiva da realidade é algo que ocupa a cabeça de Dima, longe da Ucrânia, onde deixou amigos e família. Criar infraestruturas onde um utilizador possa fazer uma espécie de videochamada com as pessoas de quem mais gosta é algo que o entusiasma. “Queria dar aos utilizadores a possibilidade de serem quem quiserem, mas também de participarem em chamadas de Zoom onde pudessem encontrar alguém que amam, como, por exemplo, família e amigos que estão na Ucrânia. E queria que essa experiência fosse tão natural como a vida real”, desabafa.

Shvets assegura que estas duas possibilidades “não entram em conflito”: no metaverso do futuro podemos ser quem somos… ou algo completamente diferente e isso não será um problema. “É uma boa maneira de ajudar as pessoas a mudar para alguns metaversos, até porque a ideia não é trocar uma realidade por outra”, assegura.

A Reface é uma das mais conhecidas aplicações a sair da Ucrânia e, para Dima, é “um privilégio e uma alegria” poder representar o seu país numa cimeira como a Web Summit. “Gosto mesmo do meu país e acredito que somos um povo excelente e muito resiliente”.

Quanto às críticas que o mundo do “deepfake” possa ter trazido, Dima parece imune. “Aceito isso. É normal, faz parte do processo de adoção de novas tecnologias”, diz.

Faz tudo parte das “dores de crescimento” de todas as novidades. O caminho ainda vai ser longo até porque, salienta, as experiências que vemos hoje em dia nesse campo não passam de “ambientes em 3D”.

Para Dima, metaverso ainda é só “uma boa palavra”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JM
    04 nov, 2022 Seixal 12:52
    Web Summit! Uma invenção criada pelos ricos e muito ricos roubarem e explorarem as ideias dos mais pobres, para ficarem ainda mais ricos, sob o pretexto das grandes inovações tecnológicas que visão melhorar o conforto e o bem estar das populações no futuro. Espero que um dia alguém faça um estudo da pegada ecológica, assim como do estado mental e social do espectro humano, resultante destes eventos.

Destaques V+