Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Empresários querem descida da carga fiscal no próximo orçamento

04 out, 2022 - 07:55 • Sandra Afonso com redação

Inquérito revela que 65% dos inquiridos pedem mexidas no IRC e 70% pedem mexidas no IVA.

A+ / A-

O tecido empresarial está preocupado com a crise energética e a inflação, e querem respostas do Governo ao nível dos impostos. Entre as medidas defendidas estão a descida do IVA na energia, de forma generalizada, a possibilidade de abater mais despesas ao IRS e o ajustamento dos escalões.

É a conclusão do estudo da consultora EY sobre o Orçamento do Estado para 2023, onde, pelo quinto ano consecutivo, o sistema fiscal português recebe nota negativa por parte deste setor.

Os empresários criticam os atrasos na justiça fiscal e o excessivo peso dos impostos, pedindo para que no próximo ano existam alterações no IRS que ajudem a suportar a inflação, porque consumidores sem dinheiro não servem às empresas.

Em declarações à Renascença, Luís Marques, da consultora, afirma que “os escalões do IRS que deverão ser atualizados em função da taxa de inflação para que qualquer cidadão que tenha um aumento que acompanhe a taxa de inflação não veja a sua situação fiscal ser agravada”, para de seguida declarar que ao nível das deduções à coleta “devem ser incrementadas e também a forma como as taxas progressivas do imposto são calculadas e devem ser reformuladas, e os próprios limites quantitativos dos escalões devem ser ajustados".

Reintrodução do apoio à criação de emprego jovem

O consultor da multinacional EY destaca ainda as alterações ao IVA, defendidas por 70% dos inquiridos: "Uma descida generalizada da taxa do IVA a todos os consumos de energia, estamos a falar de eletricidade e gás essencialmente. Isso até se sente mais ao nível das famílias do que propriamente nas empresas porque o IVA das empresas até tendencialmente é neutro, mas para as famílias isso claramente terá um impacto grande."

De acordo com este estudo, 65% dos inquiridos pedem mexidas no IRC, nomeadamente a redução das taxas de tributação autónoma e da derrama estadual e o alargamento da utilização de prejuízos e créditos fiscais.

Ao nível dos benefícios, a prioridade é a reintrodução do apoio à criação de emprego jovem.

"O aumento das deduções fiscais, o próprio regime da tributação autónoma que incide sobre determinado tipo de despesas e nomeadamente o aumento expressivo dos combustíveis. Naturalmente, e não só, estamos a pagar mais impostos sobre os combustíveis, impostos indiretos e de ISP, como também as empresas vão ver a sua situação fiscal agravada ao nível do IRC."

De acordo com este inquérito, 69% dos empresários defendem ainda a isenção de imposto de selo na compra de casas para arrendamento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+