Tempo
|
A+ / A-

Descida da taxa do IRC? Presidente da CIP convicto de que haverá uma agradável surpresa

20 set, 2022 - 11:37 • Lusa

O ministro da Economia já disse que uma redução transversal a todas as empresas seria "um sinal extremamente importante para toda a indústria".

A+ / A-

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) afirmou acreditar que haverá uma agradável surpresa de descida da taxa do IRC dos atuais 21% para 19%.

"Estou convicto de que seremos agradavelmente surpreendidos com a descida do IRC de 21% para 19%", disse António Saraiva na conferência "Fiscalidade no OE2022" promovida pelo Global Media Group, em Lisboa.

Falando num painel que tem como tema geral "O choque fiscal é fundamental. Como pode a abordagem aos impostos no OE2023 ajudar famílias e empresas", o presidente da CIP acentuou que no IRC (imposto que incide sobre os lucros das empresas), Portugal "compara mal" com outros países pelo que "mais importante do que a taxa [passar de 21% para 19%] é o sinal que é dado", porque há "um efeito reputacional" com a descida da taxa nominal do IRC.

O presidente da CIP referiu que esta confederação está a discutir, em sede de Concertação Social, o acordo de competitividade e rendimentos, insistindo na necessidade de estabilidade e de uma descida "gradual e fatiada" da carga fiscal, mas afirmou que não fará depender o acordo da descida da taxa do IRC.

"Por isso temos insistido que haja uma gradual e fatiada redução e que no IRC se altere a taxa nominal de 21% para 19% e que no ano seguinte, havendo condições, se volte a baixar", disse, precisando, porém: "não fazemos depender o acordo" da descida do IRC.

Este domingo, o ministro da Economia, António Costa Silva, afirmou que uma redução do IRC transversal a todas as empresas seria "um sinal extremamente importante para toda a indústria" e "extremamente benéfico" face à atual crise.

"Hoje, face à crise que temos, penso que seria extremamente benéfico termos essa redução transversal e, a partir daí, ver qual é o impacto que pode ter no futuro", afirmou o governante em declarações aos jornalistas à margem de uma visita às empresas portuguesas que, até hoje, participam na feira de calçado MICAM, em Milão, Itália.

"Espero que na negociação do acordo de rendimentos e de competitividade e, depois, no Orçamento do Estado, possamos ter esse desígnio da redução do IRC", acrescentou.

Embora no programa de Governo o que esteja previsto seja uma redução seletiva do IRC, dirigida a empresas que reinvestem parte dos seus lucros na atividade económica, apostam na inovação tecnológica ou contratam jovens qualificados, Costa Silva garante que sempre teve "muito claro que o país, algures, tinha que fazer essa redução transversal do IRC".


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sindicalista
    20 set, 2022 Cá 15:04
    Essa redução do IRC implicaria uma imediata e automática subida de salários em igual proporção, certo "Patrão dos Patrões"? Ou o Patronato tenciona meter ao bolso a benesse, enquanto a retribuição salarial mantém-se na mesma, e se possível, diminui?

Destaques V+