Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

​Setor têxtil pede ao Governo “lay-off de guerra”

16 set, 2022 - 15:03 • Carla Fino

As medidas apresentadas pelo Governo de apoio às empresas "vão na direção certa", mas falta perceber se a dose é adequada ou é preciso mais, afirma Mário Jorge Machado.

A+ / A-

A Associação Têxtil de Portugal (ATP) apela a um “lay-off de guerra”. Considera que as medidas apresentadas pelo Governo para as empresas vão no sentido certo, mas é preciso conhecer alguns pormenores para perceber se são as adequadas.

À Renascença, o presidente da ATP, Mário Jorge Machado, diz que é preciso a dose certa para as empresas sobreviverem.

"As medidas vão na direção certa, agora estamos aqui a falar se o alcance é maior ou menor. Isto porque o alcance ir na direção certa é o mesmo que, por exemplo: eu tenho uma infeção e devia tomar um comprimido antibiótico todos os dias para eliminar a infecção. Se tomar meio comprimido, vou morrer, na mesma, da infeção. Pode é demorar mais algum tempo. Não me é suficiente a dose.”

Para Mário Jorge Machado, o mesmo se passa aqui com os apoios do Governo às empresas. “Estão na dose certa, mas têm de ser na quantidade suficiente para permitir que a empresa continue a viver, que a economia continue a funcionar. É esta situação que agora tem de se ver nos detalhes se as doses são as adequadas", afirma.

Um dos grandes problemas da indústria têxtil é o consumo de gás, que foi fortemente afetado pelos aumentos provocados pela guerra na Ucrânia, com os constantes aumentos na fatura.

Mário Jorge Machado defende um 'lay-off' de guerra, isto porque as empresas estão com diminuição da procura.

"Seria importante haver um 'lay-off de guerra', porque a guerra - e neste caso estamos aqui com uma guerra bélica e com uma guerra económica e a guerra económica está a fazer estragos nas empresas que estão na primeira linha de combate que são estas empresas que são fortemente consumidoras de gás”, apela o presidente da ATP.

“Se nós não lhes dermos várias armas para as empresas poderem estar neste combate, estas podem ser vítimas da guerra económica que o senhor Putin está a fazer à Europa. Porque são estas empresas que estão a suportar o esforço de guerra do senhor Putin. Porque quem pagava 100 mil e agora está a pagar 500 mil, está a suportar o esforço de guerra", sublinha.

O ministro da Economia, António Costa e Silva, anunciou na quinta-feira à tarde um pacote de medidas de apoio às empresas, no valor de 1.400 milhões de euros, para ajudar a mitigar os efeitos da escalada da inflação.

O Governo vai reforçar o apoio às indústrias intensivas no consumo de gás. O programa de 160 milhões de euros vai ser reforçado para 235 milhões de euros. Destaque também para uma linha de crédito de 600 milhões de euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+