Tempo
|
A+ / A-

Juros da dívida. BCE aprova novo instrumento de proteção

21 jul, 2022 - 14:00 • Ricardo Vieira, com agências

O IPT pode ser ativado pelos países da zona euro "a fim de contrariar dinâmicas de mercado desordenadas, injustificadas e passíveis de representar uma ameaça grave para a transmissão da política monetária na área do euro".

A+ / A-

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou esta quinta-feira um novo Instrumento de Proteção de Transmissão (IPT), destinado a proteger os países e sistemas bancários mais vulneráveis às variações dos juros da dívida e evitar uma nova crise das dívidas soberanas.

"Em relação ao IPT é um instrumento que nos ajudará a cumprir o nosso mandato em termos de estabilidade de preços, trazendo a inflação, a médio prazo, de volta para os 2%. Ao abrigo do IPT, todos os membros da zona euro, em princípio, são ilegíveis" e pode ativar o mecanismo em caso de necessidade, anunciou a presidente do BCE, Christina Lagarde, em conferência de imprensa.

Questionada pelos jornalistas, Lagarde explica que o Instrumento de Proteção de Transmissão "é um programa concebido para abordar os riscos específicos que todos os países da zona euro podem enfrentar".

Os Estados-membros podem aceder ao IPT, apresentando um pedido que terá depois de receber luz verde do conselho executivo do BCE.

"Se e quando o IPT precisar de ser ativado, os conselho executivo irá realizar uma avaliação global nos países em causa e a decisão que levará à compra por parte do IPT será total responsabilidade do conselho executivo", salientou Lagarde.

As condições de acesso ao novo IPT ainda serão detalhadas pelo Banco Central Europeu, mas destinam-se a países mais expostas às variações da dívida, como Portugal, Grécia ou Irlanda, entre outros.

O Banco Central Europeu refere que "o IPT será uma adição ao conjunto de instrumentos do Conselho do BCE e pode ser ativado a fim de contrariar dinâmicas de mercado desordenadas, injustificadas e passíveis de representar uma ameaça grave para a transmissão da política monetária na área do euro".

Além do novo instrumento de proteção, a instituição liderada por Christine Lagarde anunciou esta quinta-feira uma subida das taxas de juro de 0,50%, pela primeira vez em 11 anos.

O objetivo destas medidas é travar a escalada da taxa de inflação, que as autoridades europeias já admitiriam que será mais duradoura do que o inicialmente previsto.

O objetivo do BCE é estabilizar a taxa de inflação nos 2% a médio prazo. Em cima da mesa estão novas subidas das taxas de juro nos próximos meses.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+