Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Euro abaixo do dólar pode aumentar ainda mais preço do combustível, alerta especialista

18 jul, 2022 - 18:42 • Pedro Mesquita com Redação

João Duque sugere que o Banco Central Europeu pode fazer subir as taxas de referência de forma a "estancar a hemorragia de transferência de fundos de euros para dólares". Apesar de também haver alguns pontos positivos com a descida do euro, o economista indica que esses fatores não se aplicam ao caso português.

A+ / A-

O economista João Duque avisa que se a cotação do dólar face ao euro subir, o preço do combustível pode aumentar.

À Renascença, o professor do Instituto Superior de Economia e Gestão explica que "muitas matérias-primas e a energia são negociados em dólares", o que incorpora "maior dificuldade na compra".

"No mercado internacional ouvimos que o petróleo está a descer de preço, mas como o euro se desvaloriza, fica mais caro para nós", detalha.

"É claro que o impacto por via da energia é enorme. Como a energia está presente na esmagadora maioria dos setores, esse impacto é muito facilmente transmissível na cadeira de preços", ou seja, criaria mais dificuldades ao poder de compra dos portugueses, devido ao aumento de preço de outros produtos, em consequência.

Por outro lado, o especialista diz que também há pontos positivos numa desvalorização do euro, como uma maior atratividade das exportações da Europa para os Estados Unidos, devido à redução do preço.

Só que, no caso de Portugal, em que mais de dois terços das exportações vão para outros países da Europa, este fator "não aquece nem arrefece" e acaba por ter pouco impacto positivo na economia portuguesa.

João Duque sugere que o Banco Central Europeu pode fazer subir as taxas de referência, para os bancos subirem, igualmente, as taxas e, desta forma, "estancar a hemorragia de transferência de fundos de euros para dólares".

No entanto, o economista realça que, para reduzir a inflação, terá de ser à custa de "dor", como a subida das taxas de juro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+