Tempo
|
A+ / A-

Santo Tirso. ASAE apreende mais de 2.500 quilos de alimentos "anormais"

06 jul, 2022 - 11:46 • Lusa

Foi instaurado um processo-crime e constituídos dois arguidos.

A+ / A-

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu num estabelecimento industrial, em Santo Tirso, mais de 2.500 quilos de géneros alimentícios de origem animal "considerados anormais", tendo instaurado um processo-crime e constituídos dois arguidos.

Em comunicado, a ASAE refere que apreensão foi feita no âmbito de uma fiscalização direcionada a um estabelecimento industrial de fabrico de produtos à base de origem animal localizado naquele concelho, no distrito do Porto, que foi suspenso.

A ASAE explica que foram apreendidos 2.570 quilos de géneros alimentícios de origem animal (queijos e produtos cárneos) com um valor estimado de 11.860 euros, que foram "considerados anormais" e aos quais faltavam "requisitos e rastreabilidade".

"Durante a ação foi possível verificar que os produtos eram recondicionados, manipulados e armazenados ilegalmente, no caso concreto com alteração das condições de conservação (passagem do estado "fresco/refrigerado" para estado "congelado")", lê-se.

De acordo com a ASAE, os alimentos foram submetidos a perícia, tendo sido "considerados anormais e encaminhados para destruição, para processamento em Unidade de Transformação de Subprodutos aprovada, por falta de requisitos, já que apresentavam notória formação de cristais, gelo na sua superfície, desidratação e descoloração, alguns com cor amarelada".

Em consequência "foi instaurado o respetivo processo-crime, tendo sido determinada a suspensão do estabelecimento industrial e ainda constituídos dois arguidos sujeitos a termo de identidade e residência".

Esta ação contou com a colaboração da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+