Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Pilotos da TAP cancelam greve pois não querem ser usados “como um bode expiatório”

28 jun, 2022 - 07:43 • Lusa

Sindicato lembra que o setor está com um índice operacional acima de 2019, com "uma retoma vigorosa, trazendo recuperação as empresas".

A+ / A-

Os pilotos da TAP decidiram não avançar com uma greve na companhia aérea, exigindo "respeito e cumprimento dos acordos assinados" e lembrando que "não aceitam continuar a ser discriminados com cortes adicionais face aos restantes trabalhadores".

"Os Pilotos da TAP SA, com total sentido de responsabilidade face aos contribuintes e aos passageiros, apesar de forçados a financiar um Plano de Reestruturação imposto erradamente à empresa que é responsável pela esmagadora maioria da receita do grupo TAP, deliberaram em Assembleia de Empresa, aprovada por 92% dos cerca de 700 pilotos que participaram, não fazer greve, porque não querem pactuar com a intenção já demonstrada de os usar como um bode expiatório para os insucessos no plano de recuperação da empresa", adiantou o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC).

O SPAC lembrou que os pilotos "assinaram um Acordo Temporário de Emergência (ATE), em vigor desde março de 2021, para proteger postos de trabalho quando não havia operação, demonstrando a sua total disponibilidade para viabilizar a companhia".

"Ainda assim, os Pilotos da TAP SA foram alvo de despedimento coletivo, apesar dos 50% de corte de ordenado a que foram sujeitos enquanto os restantes trabalhadores do grupo TAP foram apenas submetidos a 25% de corte", atentou.

De acordo com o SPAC, a TAP "não cumpre o ATE" e "atribui períodos de assistência a pilotos no limite dos plafonds mensais de horas de voo".

Também, segundo o sindicato, a companhia aérea "desrespeita o regime de folgas previsto no Acordo de Empresa" e "desrespeita reiteradamente cláusulas de regulamentação da distribuição de trabalho".

A TAP "pretende alterar unilateralmente o ATE assinado de boa-fé entre os pilotos e a empresa e, recentemente, não cumpre sequer a Lei num Estado de Direito, proibindo os pilotos de reunir em plenário", acrescentou o SPAC.

O sindicato recordou ainda que, atualmente, o setor está com um índice operacional acima de 2019, com "uma retoma vigorosa, trazendo recuperação as empresas".

Na passada quinta-feira, SPAC afirmou, no final de uma reunião com o ministro das Infraestruturas e da Habitação, que a solução para a situação na TAP estava do "lado" da empresa e "da tutela".

"A solução, hoje e como sempre, está também do lado da TAP e necessariamente da tutela", salientou o sindicato, de acordo com um comunicado divulgado esta madrugada, depois do encontro com Pedro Nuno Santos, na ocasião.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • J M
    28 jun, 2022 Seixal 14:32
    Algo se passa com esta empresa e ninguém tem a coragem de o denunciar. O ano de 2019 foi o melhor de sempre para o turismo e para a TAP, mas nem assim a empresa teve lucro, porque será? Má gestão? Os gestores da TAP que sempre foram “pagos a peso de ouro” são incompetentes? Os pilotos e outros descontentes, em vez de chantagear a empresa todos os anos com greves quando esta mais precisa de operar, sempre poderiam migrar para a Ryanair, talvez tenham mais e melhores mordomias e condições de trabalho. Quem sabe, talvez a TAP começasse a gerar lucro e deixasse de depender permanentemente do estado para sobreviver.

Destaques V+