Tempo
|
A+ / A-

​Portugal contra fim dos carros a combustão em 2035. "Esforço de transição é enorme"

24 jun, 2022 - 18:35 • Pedro Mesquita

Primeiro-ministro justifica posição portuguesa na União Europeia. Ambientalistas falam em " balde de água fria", setor automóvel considera que “burocratas europeus que nada sabem de mobilidade”.

A+ / A-

Afinal, 2035 pode não ser ainda o ano da proibição total da produção de veículos a combustão na União Europeia. Há agora uma proposta - apoiada por Portugal - para que o prazo seja adiado para 2040.

O primeiro-ministro, António Costa, justifica a posição com o investimento que a transição irá obrigar para as famílias europeias, a grande maioria ainda com automóveis movidos a gasolina ou gasóleo.

“A proposta da Comissão é que, a partir de 2035, os veículos tenham que ser 100% zero emissão, aquilo que nós propomos é que passem a ser 90% de emissão. O que permite durante esses cinco anos ainda haver outro tipo de veículos”, afirmou esta sexta-feira António Costa, no final da reunião do Conselho Europeu, em Bruxelas.

O primeiro-ministro considera que essa transição para viaturas sem gasóleo ou gasolina representa um “esforço enorme de investimento” para as famílias e é preciso ir preparando esse cenário.

“A generalidade das pessoas ainda tem veículos de combustão normal. Esse esforço de transição é enorme e vai pesar, sobretudo, sobre as famílias. É preciso ir preparando essa transição, porque isto vai exigir um esforço muito grande de toda a gente.”

Ao contrário do que pretende a Comissão Europeia e o Parlamento Europeu, há agora uma proposta de alguns Estados-membros - apoiada por Portugal - para que os veículos a diesel e a gasolina ainda possam ser produzidos até 2040.

Como está a ser recebida esta proposta? O que dizem, por exemplo, os ambientalistas?

Francisco Ferreira, da associação ambientalista ZERO, ficou “gelado” com esta notícia e lamenta a proatividade de Portugal para bloquear - com outros países - essa proibição já em 2035.

“Este á um balde de água fria naquilo que é a política climática de Portugal, habitualmente, à escala europeia, considerada na linha da frente. Ficámos surpreendidos porque é Portugal a fazer marcha-atrás, juntamente com a Roménia, a Bulgária, a Itália…”, lamenta Francisco Ferreira.

A ZERO opõe-se ao adiamento, mas também há quem aplauda a proposta, como o presidente do Automóvel Clube de Portugal. Carlos Barbosa acredita que nem em 2050 a ideia irá avançar e que o assunto apenas se colocou agora por culpa dos “burocratas europeus que nada sabem de mobilidade”.

“Não se sabe qual é o futuro da energia e dos combustíveis, portanto, é natural que não se possa com esta antecedência legislar sobre o futuro”, afirma Carlos Barbosa.

Também Hélder Pedro, o secretário-geral da ACAP - Associação Automóvel de Portugal, se manifesta favorável a um adiamento da proibição do fabrico de veículos a combustão.

“Tivemos vários contactos com o Governo português sobre esta matéria, e a nossa compreensão era que o Governo percebesse que era uma decisão precipitada em 2022 estar a tomar esta decisão já para 2035, quando a tecnologia pode evoluir, tem que se avaliar o impacto socio-económico da medida para toda a fileira da indústria”, sublinha o secretário-geral da ACAP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luís Sequeira
    29 jun, 2022 Mem Martins 18:46
    Uma triste e vergonhosa notícia. A justificação com "as famílias" é de uma idiotice incrível. Não só ninguém é obrigado a comprar um carro eléctrico (não se está a banir os carros já existentes), como muito antes de 2035 os carros eléctricos terão um custo de aquisição inferior aos de combustão. O primeiro-ministro ou não sabe ou então tem outros motivos, como a defesa de alguns sectores económicos. Já quanto ao execrável sr. Carlos Barbosa, isso nada surpreende. Inimigo declarado dos carros eléctricos desde sempre, devia ser o presidente do ACP (Automóvel de Combustão de Portugal).

Destaques V+