Tempo
|
A+ / A-

Função Pública

Tabela remuneratória única. FESAP lamenta falta de vontade política do Governo

08 jun, 2022 - 01:47 • André Rodrigues , com redação

Em entrevista à Renascença e ao jornal Público, a ministra da Presidência não se compromete com um calendário para a revisão da Tabela Remuneratória Única para 2023.

A+ / A-

O secretário-geral da Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP), José Abraão, acusa o Governo de falta de vontade política, depois de a ministra Mariana Vieira da Silva não garantir a revisão da Tabela Remuneratória Única em 2023.

Em declarações à Renascença, José Abraão espera que através do diálogo seja possível alcançar uma solução de compromisso.

“É alguma dificuldade de vontade política. Já estamos a falar para 2023 e este é um conjunto de problemas que não pode continuar a arrastar-se no tempo, porque isto gera revolta, desmotivação e contestação social”, afirma o líder da FESAP.

“Nós queríamos encontrar, pelo menos, um compromisso negocial, calendarizado, com compromissos sérios para que se encontrasse um caminho para que todas estas matérias fossem revistas e pudéssemos ter uma administração pública ainda mais motivada, recrutando os melhores e mantendo a competência que já temos hoje nalgumas áreas”, defende José Abraão.

Se o Governo não estiver disponível para rever as carreiras globalmente, estará a criar injustiças, afirma o sindicalista, que fala também na necessidade de rever as carreiras do assistente operacional.

Em entrevista ao programa Hora da Verdade, da Renascença e do jornal Público, a ministra da Presidência, responsável pela tutela, não se compromete com um calendário para a revisão da Tabela Remuneratória Única para 2023.

Essa é uma das prioridades para a FESAP, para o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) e para a Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, no processo negocial que arranca esta quarta-feira.

A ministra Mariana Vieira da Silva garante, por outro lado, que o estudo que está previsto para a semana de trabalho de quatro dias no setor privado também vale para a Administração Pública, mas a aplicação "pode ser de tipo diferente".

“Pode ser um caminho de reorganização do tempo de trabalho; pode ser concentrando mais horas de trabalho em menos dias. Todas as soluções são possíveis, é isso que significa ter um projeto-piloto e um debate com os sindicatos”, adianta Mariana Vieira da Silva.

Para José Abraão, o Estado deve dar o exemplo. Não é por se trabalhar mais horas que a produtividade aumenta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+