Tempo
|
A+ / A-

Grandes empresas

CEO portugueses ganham 32 vezes mais do que trabalhadores

26 mai, 2022 - 06:34 • Diogo Camilo , Fátima Casanova

Os dados da Deco Proteste constam de um ranking de disparidade salarial a que a Renascença teve acesso.

A+ / A-

Os presidentes das principais empresas portuguesas cotadas em bolsa receberam, em média, 32 vezes mais do que os seus trabalhadores no ano passado. O líder deste ranking de CEO’s é Pedro Soares dos Santos, da Jerónimo Martins, que auferiu em 2021 mais de três milhões de euros, um aumento de 19,3% face a 2020.

Este é um valor que é quase 263 vezes superior à média de trabalhadores da dona do Pingo Doce - a maior disparidade salarial entre os 17 grupos analisadas pela DECO.

O CEO da distribuidora que tem o Pingo Doce recebeu ainda 9,3 milhões a título de uma contribuição extraordinárias para o plano de pensões. Contudo, este montante não foi incluído nas contas deste estudo.

Neste ranking de disparidade salarial, segue-se Cláudia Azevedo, da SONAE, que auferiu no ano passado 1,6 milhões de euros, um valor 77 vezes superior à remuneração média dos seus trabalhadores. Na terceira posição está a Mota-Engil, dirigida por Gonçalo Moura Martins, cujo rendimento anual é 73,3 vezes mais elevado que a média dos salários praticados na empresa.

As informações constam de uma análise feita na revista Proteste Investe, da DECO. O coordenador, João Sousa, aponta à Renascença que estes dados “ajudam a perceber as grandes diferenças em matérias de remuneração dos CEO em Portugal” e que “a política de remunerações é, na prática e na maioria dos casos, muito vaga e não permite que seja votada, de forma individualizada, a remuneração dos membros do conselho de administração”.

A evolução dos salários nos últimos anos revela que o fosso entre os CEO e a média dos restantes trabalhadores das empresa tem aumentado, em vez de diminuir. Para o conjunto das 17 empresas analisadas pela DECO, o rácio passou, entre 2020 e 2021, de 29,6 para 32,2.
E em quatro destes casos - BCP, CTT, Galp, Mota-Engil e NOS - a remuneração dos CEO foi superior em 20 vezes à média dos restantes trabalhadores da empresa, mesmo apesar dos resultados entre 2017 e 2021 terem sido negativos.

Na base desta subida, segundo a DECO, está, sobretudo, o aumento da remuneração variável dos CEO (+27,8%), nomeadamente na Mota-Engil, Navigator, BCP, Impresa, EDP, Sonae e Semapa, que pode ser parcialmente explicado pela melhoria dos resultados das empresas, mas não na sua totalidade. Em comparação, o vencimento médio dos restantes trabalhadores aumentou, no mesmo período, apenas 2,7%.

A Associação da Defesa do Consumidor indica ainda que, dado o aumento da disparidade salarial nos últimos anos, existe necessidade de alterar a legislação, propondo mudanças como a existência de uma “comissão de vencimentos, com total independência”, a “definição de limites máximos para a remuneração individual e agregada dos órgãos sociais” e a “remuneração dos administradores parcialmente variável e baseada no desempenho sustentado da sociedade”.

O coordenador João Sousa indica também que é “desejável que a remuneração de cada administrador seja objeto de votação anual em assembleia geral de acionistas”.


[notícia corrigida em relação ao salário anual recebido por Pedro Soares dos Santos e Cláudia Azevedo às 8h20]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+