Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Explicador

Rússia fecha torneira do gás à Polónia e Bulgária. E agora, Europa?

27 abr, 2022 - 18:02 • Rosário Silva , Sérgio Costa , com Redação

A ameaça concretizou-se e a Europa tem agora mais uma questão para resolver. Atrelado, Portugal pode preparar-se também para a subida de preços, a consequência mais evidente da decisão do Governo de Moscovo.

A+ / A-

A Rússia anunciou que vai deixar de fornecer gás, a partir desta quarta-feira, à Polónia e à Bulgária. O regime de Putin justifica esta decisão, por um lado, com o apoio dada à Ucrânia por estes dois países europeus e, por outro lado, por ter havido recusa em pagar o gás russo em rublos, de resto, uma exigência da Rússia.

O que levou a Rússia a tomar esta decisão?

A Rússia decidiu interromper o fornecimento de gás à Polónia e à Bulgária, pelo facto destes dois países europeus terem apoiado Ucrânia e decidido não ceder à exigência de Moscovo, em pagar o gás em rublos.

O anúncio foi feito pela empresa energética polaca PGNiG: “No dia 26 de abril, a Gazprom informou a PGNiG da sua intenção de suspender completamente as entregas sob o contrato Yamal no início do dia do contrato em 27 de abril”.

Citado pela agência francesa AFP, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, justificou a tomada de decisão com a implementação “de um conjunto de medidas para mudar o pagamento do nosso gás entregue a países hostis para rublos”.

Uma exigência que surge como resposta às sanções impostas pelo Ocidente à Rússia por causa da invasão da Ucrânia.

Que impacto tem nos países sancionados?

A repercussão desta sanção nos países europeus é muito diferente. A Bulgária será, dos dois, o país mais afetado, já que, de acordo com o Eurostat, o país está entre os dez mais dependentes do gás russo.

A Polónia terá mais sorte, uma vez que as reservas de gás dos polacos estão a 76% da capacidade, e “não se afigura necessário ter de recorrer a esse armazenamento”, avança a agência Reuters, citando fonte oficial.

Ambos os países já reagiram. O ministro búlgaro da Energia, Alexander Nikolov, afirmou que o país tem energia suficiente para os próximos tempos. “Não haveria transparência sobre a conversão do pagamento em dólares para rublos, pois iríamos perder o controlo sobre o nosso dinheiro”, disse o governante, citado pela agência búlgara Novinite, que lembra ainda que a Bulgária não está disponível para “negociar sob pressão”.

Também o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, recusou discutir com os russos. “Não vamos ceder a esta chantagem”, disse o líder da Polónia. Morawiecki assegura que a Polónia tem alternativas e que “não precisará de gás russo”, no Outono. “É um ataque direto à Polónia, mas estávamos a preparar-nos”, assegura o chefe do Governo polaco.

E na Europa, qual o impacto destes cortes?

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen já condenou a atitude da Rússia, mas garantiu que ninguém foi apanhado de surpresa. “Estávamos preparados. Estamos em contacto com todos os Estados-membros e a trabalhar para encontrar alternativas”, disse em comunicado.

A verdade é que, desde a notícia da suspensão das transações de gás entre Rússia e alguns países europeus, os preços voltaram a disparar, com consequências a curto e médio prazo para a economia europeia.

Tanto mais que esta ‘sanção’ pode ser estendida a outros países, de resto, uma situação já admitida pelo porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov, caso não sejam respeitadas as exigências russas.

E em Portugal, que efeitos se podem esperar?

Portugal importa da Rússia um valor muito residual de gás, pelo que os portugueses não estão dependentes desta fonte para obter a maior parte do gás usado no país.

Contudo, e tendo em conta um expetável aumento dos preços, Portugal não escapará à escalada, com consequências ainda por conhecer nos diferentes setores de atividade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+