Tempo
|
A+ / A-

UGT diz que prioridade deve ser "aumento significativo" do salário médio

24 abr, 2022 - 15:52

Mário Mourão quer que Governo dê exemplo e aumente salários da função pública

A+ / A-

O combate por melhores salários, não apenas o crescimento do salário mínimo, mas também do médio, é uma das prioridades para novo secretário-geral da UGT.

"Uma vez que o peso dos salários no Produto Interno Bruto português se encontra, mais ou menos, em quarenta e quatro por cento, a UGT irá propor e reivindicar que este número se eleve a quarenta e oito por cento até ao términus do presente quadriénio, fazendo assim com que se possa atingir a média europeia, neste capítulo", disse em Santarém.

No seu primeiro discurso, Mário Mourão diz que esse é um combate que tem que ser feito, não contra o Governo mas com o Governo, porque é o Executivo que tem que encontrar os necessários meios.

"O retomar da discussão da valorização dos salários e rendimentos continua a ser uma prioridade" que se torna "ainda mais oportuna e premente, tendo presente os recursos disponíveis para serem aplicados nas mudanças estruturais" da economia.

O novo líder sindical não referiu qualquer referencial, mas deixou claro que neste desígnio de fazer crescer os rendimentos dos trabalhadores, o Governo tem que ser o primeiro a dar o exemplo, em relação aos trabalhadores da Administração Pública.

"O Governo deve assumir, desde logo, a sua responsabilidade, enquanto maior empregador, de uma política de valorização salarial de todos os seus trabalhadores", referiu.

Mário Mourão reafirmou o empenho da central sindical na Concertação Social e fez questão de se dirigir aos representantes do Governo, Confederações Patronais e da CGTP, frisando que não eram inimigos nem adversários. Todos têm um objetivo comum: contribuir para a melhoria das condições de vida dos trabalhadores.

Face à erosão dos rendimentos dos portugueses por causa da escalada inflacionista que afetam mais fortemente as famílias mais vulneráveis, Mourão anunciou que a UGT vai exigir mais medidas e apoio às empresas e aos portugueses que têm maiores dificuldades.

"A UGT, no âmbito da Concertação Social, vai exigir uma discussão ainda mais profunda para a adoção de medidas imediatas de apoio não apenas às empresas, mas também a quem sobrevive dos escassos rendimentos do seu trabalho. Vamos pugnar com determinação pelo aumento médio dos salários", explicou.

Mário Mourão foi, este domingo, eleito secretário-geral da UGT, sucedendo a Carlos Silva. Obteve 455 votos favoráveis, teve 77 votos contra e registaram-se ainda 21 abstenções.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+