Tempo
|
A+ / A-

Explicador

Preços vão aumentar. Saiba como pode poupar

28 mar, 2022 - 07:49 • Fátima Casanova

Esta é uma semana com subidas no preço dos combustíveis, mas a eletricidade e o gás também vão registar aumentos.

A+ / A-

A invasão russa da Ucrânia empurrou a Europa para uma crise energética. A guerra veio evidenciar a dependência de alguns países face ao petróleo e ao gás russo.

A falta de água nas barragens também não ajuda. O custo da produção de eletricidade está, por isso, alto e depois reflete-se na fatura dos consumidores.

Para o próximo mês estão anunciados aumentos a que não escapam as famílias. Até quem está no mercado regulado vai sofrer um agravamento extraordinário de aproximadamente 3% na fatura média mensal de eletricidade.

Como é que os consumidores podem ter uma fatura menos pesada?

Desde logo devem tentar perceber se a potência contratada para casa é a mais correta. É essa potência vai determinar o número de equipamentos que podem estar ligados em simultâneo.

As potências mais comuns para clientes residenciais variam entre os 3,45 e os 6,9 quilovoltamperes, com diferenças na fatura que podem chegar às dezenas de euros no final do ano.

À Renascença, Pedro Costa, responsável pela direção de consumidores de energia da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos explica que “um consumidor que hoje tenha 6,9 Kva de potência contratada, se conseguisse passar para 3,45 poderá poupar quase 5 euros por mês, o que dá 60 euros num ano. Tem peso na fatura”.

“Há também escalões intermédios entre o 6,9 e o 3,45 Kva, estes são os dois que as pessoas conhecem melhor, há o 5,75 e o 4,6. Se tem 6,9 se calhar vale a pena tentar, por exemplo, baixar para o 5,75 e verificar se consegue viver bem assim, sem o quadro disparar demasiadas vezes””, detalha.

Mas se ainda tem dúvidas, antes de avançar para a alteração, pode sempre recorrer ao simulador da ERSE que “tem um simulador de potência contratada no site em que a pessoa indica os eletrodomésticos que tem, quais é que usa ou não usa ao mesmo tempo e ele no final devolve a potência contratada sugerida”, explica.

O simulador de preços de energia da ERSE compara todas as ofertas comerciais disponíveis e o melhor é ter uma fatura à mão.

“Uma boa maneira de fazer uma simulação é ter consigo a sua fatura de eletricidade ou de gás natural. Depois dirige-se ao simulador e o simulador vai perguntar-lhe se os dados que tem se são dados de um mês ou de um ano, ou se prefere uma solução mais simplificada e usar um caso tipificado: um casal, um casal com dois filhos ou com três filhos. Depois preenche os dados com os consumos respetivos e no final o simulador devolve-lhe uma lista ordenada das melhores propostas para o seu caso”, especifica.

Poupar dezenas de euros por ano

Feita a pesquisa, o consumidor fica a saber qual a proposta mais barata e pelas contas de Pedro Costa, a diferença significa mais de umas dezenas de euros de poupança ao final do ano.

“Uma família com dois filhos terá uma fatura a rondar os 90 euros por mês. Portanto se houver uma diferença de 10% entre o máximo e o mínimo já estamos a falar de 9, 10 euros por mês. Já tem significado”, sublinha.

Pedro Costa alerta que “é bastante importante, nestas ofertas, verificar se tem ou não serviços adicionais, que é uma situação para a qual os consumidores nem sempre estão despertos. São serviços que o comercializador oferece e que convém que o consumidor verifique se os vai ou não utilizar. Se não for utilizar não valerá a pena pagar por eles, porque mensalmente vai pagar por eles um determinado valor”.

Pagar pelo que não precisa representa ao final do ano mais umas dezenas de euros que saem da carteira do consumidor, de dezenas em dezenas a conta da poupança pode chegar às centenas de euros por ano. Por isso, convém ler o contrato de energia saber o que inclui e só depois procurar uma oferta mais barata.

Entretanto em casa, convém ligar as máquinas de lavar só com a carga completa, abrir o frigorifico apenas por momentos breves e desligar todos os aparelhos quando não os está a utilizar. Também é importante ter presente que mesmo a luzinha de "stand by" está a consumir energia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    28 mar, 2022 aldeia 08:01
    A "nossa guerra" é a dos preços,dos impostos, das tachinhas,das taxas.do iva etc etc, das reformas baixas,das pensões de miséria. do desemprego,dos banqueiros que roubaram milhões, dos politicos que se amanharam,da corrupção como nunca se tinha visto, da falta da justiça,etc etc etc....Cada vez Portugal produz menos,estamos dependentes como serviçais da Europa, sempre de mão esticada como pedintes para sobreviver mais um ano, o proximo logo se verá.

Destaques V+