Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Banco de Portugal prevê inflação de 4% e corte no crescimento da economia

24 mar, 2022 - 16:10 • Sandra Afonso, com redação

Instituição liderada pelo governador Mário Centeno atualiza estimativas para a economia, com os previsíveis impactos da guerra na Ucrânia.

A+ / A-

O Banco de Portugal revê em baixa as previsões de crescimento da economia portuguesa e uma taxa de inflação de 4% este ano, devido aos efeitos da guerra na Ucrânia.

No boletim económico divulgado esta quinta-feira, a instituição liderada pelo governador Mário Centeno revê em baixa crescimento para 2022 em 0,9 pontos percentuais, para 4,9%.

A inflação foi revista em forte alta para 2022. Deve ficar em 4%, mais 2,2 pontos percentuais.

A pandemia, a invasão da Ucrânia e o aumento dos preços das matérias primas e energia explicam esta correção.

A sustentar o crescimento está a recuperação das exportações e, sobretudo, do turismo. O Banco de Portugal destaca ainda o investimento empresarial, que cresce cerca de 5%, animado pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR). Se estes investimentos falharem, pode ficar em causa o crescimento da economia, alerta Mário Centeno.

Tendo em conta o prolongamento da ofensiva russa e o impacto da alta dos preços, entre outras variáveis, o supervisor admite ainda um cenário adverso, em que os preços aumentam ainda mais e a economia pode mesmo estagnar.

Mais uma vez, nem todos vão sentir os efeitos da mesma forma. Há sectores duplamente afetados, que ainda não recuperaram da pandemia e estão a ser fortemente atingidos por este choque de preços, admite o governador.

A boa notícia, sobretudo para quem deve dinheiro ao banco, é que os juros não devem subir para já. Mário Centeno admite que se mantenham baixos até ao final de 2024.

O Banco de Portugal prevê que a taxa de desemprego caia para 5,9% este ano, ligeiramente abaixo dos 6% anteriormente previstos.

O regulador bancário prevê que a taxa de desemprego diminui para 5,9% em 2022, para 5,7% em 2023 e para 5,6% em 2024, face aos 6,6% registados em 2021.

Mas apesar do elevado ritmo de contratações, o Banco de Portugal não antecipa uma subida dos salários, devido à proteção dada ao emprego no pico da pandemia.

Sobre o novo Governo, nomeadamente o novo ministro das Finanças, Mário Centeno não faz comentários. O governador diz apenas que o Banco de Portugal irá vigiar os preços, não lhe cabe vigiar mais nada, mas acrescenta que as contas públicas caminham para o equilíbrio e há condições para reduzir a dívida pública para 100% do PIB, até 2026.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+