Tempo
|
A+ / A-

Novo Banco entrega à justiça o congelamento de depósitos da Venezuela

03 mar, 2022 - 16:50 • Sandra Afonso

Decisão tomada depois do presidente Nicolás Maduro ter denunciado na ONU que a instituição bancária portuguesa tem retido dinheiro do Estado.

A+ / A-

O Novo Banco entrega à justiça o congelamento de depósitos da Venezuela. Em causa estão depósitos de entidades venezuelanas, congelados devido a dúvidas sobre os legítimos representantes das entidades.

Em resposta à agência Lusa, o Novo Banco diz que este é um tema judicial e já decorrem processos na justiça.

Segundo fonte oficial, “todos os montantes titulados por entidades estatais venezuelanas que se encontravam depositados junto do Novo Banco, estão presentemente em processo judicial de consignação dos fundos em depósito, atenta a existência de dúvidas quanto à identidade dos legítimos representantes das referidas entidades”.

De fora estão apenas “alguns montantes, que já se encontravam anteriormente judicialmente indisponíveis”.

Estes depósitos voltaram a ser notícia depois do Presidente Nicolás Maduro ter anunciado, na segunda-feira, na ONU, que o Novo Banco está a reter mais de “mil milhões de dólares” (cerca de 891 milhões de euros) do Estado venezuelano.

Maduro diz que, no total, três instituições financeiras estão a recusar à Venezuela “o direito de usar os recursos para comprar vacinas, medicamentos, alimentos e suprimentos em geral na luta contra a Covid-19” – Novo Banco, Banco de Inglaterra e Citibank.

O presidente da Venezuela acrescenta ainda que “as mal chamadas sanções” internacionais já privaram a Venezuela de “99% das suas entradas em divisas por exportações e pelo menos 30 mil milhões de dólares de ativos da Venezuela no estrangeiro”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+